Como solicitar o cartão Neon

O cartão de crédito Neon chegou a pouco tempo no mercado e tem tentando conquistar seus clientes com taxas baixas e facilitando até mesmo a aprovação.

Com uma conta digital gratuita e diferente das demais o Neon aposta em seu aplicativo para facilitar o gerenciamento das contas de seus clientes, em apenas um clique você faz operações que demorariam horas em um banco tradicional.

Benefícios

O cartão Neon vem com a bandeira Visa, onde você pode aproveitar diversos benefícios do programa VAI DE VISA, tais quais:

  • Ofertas especiais em restaurantes
  • Ofertas especiais em hotéis
  • Ofertas especiais em eletrônicos

E muito mais.

Para quem é este cartão

Este cartão é ideal para pessoas antenadas, mas caso você não seja um exper em tecnologias, não fique triste. O aplicativo é bem fácil de utilizar, trazendo assim acessibilidade para todas as idades.

 

Para solicitar seu cartão Neon é bem simples, basta acessar o site do Neon clicar no ABRA SUA CONTA e preencher o cadastro.

O banco costuma demorar alguns dias para responder a solicitação, algumas pessoas recebem a resposta em algumas horas.

Tá esperando o que para migrar para o Neon?

Publicado por: Equipe

Quiz do Cartão de Crédito

Publicado por: Guilherme

Governo Gastou Muito Menos na Pandemia do que Tem Anunciado, Segundo Levantamento

Um levantamento nas contas públicas mostrou que, até agora, o Governo Federal empregou R$ 294 bilhões em medidas de combate à pandemia do novo coronavírus (Covid-19). O valor, no entanto, é bem menor do que o Palácio do Planalto tem anunciado.

O governo se vale de números altos quando se refere aos gastos com a pandemia. No dia em que o Brasil registrou 100 mil mortes pela Covid-19, a Secretaria Especial de Comunicação Social não perdeu tempo e publicou: “Mais de R$ 1 trilhão para salvar vidas e garantir o emprego e a dignidade de milhares de brasileiros”.

O mesmo número já foi repetido por ministros e pelo presidente Jair Bolsonaro. Na prática, no entanto, um valor bem menor foi, de fato, gasto até agora: R$ 294,5 bilhões, pouco mais da metade do que está disponível para o combate à pandemia. O Congresso aprovou um orçamento paralelo, chamado de “orçamento de guerra”, no valor de R$ 512 bilhões.

Divisão dos recursos gasto até então

De acordo com o Tesouro Nacional, do total gasto até agora, R$ 167 bilhões foram para parcelas do auxílio emergencial; R$ 370 milhões para a ampliação do Bolsa Família; R$ 20,5 bilhões para o Programa Emergencial para Manutenção do Emprego (para pagar parte dos salários de quem teve a jornada e salários reduzidos ou o contrato de trabalho suspenso); R$ 55 bilhões para auxílio a estados e municípios, que receberam repasses extras e, além disso, pararam de pagar dívida.

Pouca adesão

A linha de crédito para empresas financiarem a folha de pagamento sem demitir teve pouca adesão: R$ 4 bilhões de um total de R$ 34 bilhões disponíveis; R$ 900 milhões foram para o setor de Energia; R$ 20 bilhões para garantir empréstimos; R$ 25 bilhões para despesas no Ministério da Saúde, além de outras pastas.

Os gastos exclusivos com a Saúde somaram até agora quase R$ 22 bilhões, de um total de R$ 41 bilhões autorizados, ou seja, gastou-se um pouco mais da metade.

Explicação do governo

Para chegar ao valor de R$ 1 trilhão, o governo explica que inclui nesse cálculo o impacto econômico de todas as medidas adotadas, se todo o dinheiro liberado para os bancos emprestarem for usado, por exemplo. O governo considera nessa conta, portanto, o impacto de medidas que não englobam, necessariamente, recursos públicos.

O Tribunal de Contas da União (TCU) questionou a estratégia que o governo está usando para utilizar esse dinheiro na Saúde. Além de não usar todo o orçamento disponível, o TCU identificou lentidão na liberação da verba e pediu explicações ao Ministério da Saúde, que tem até o fim de agosto para responder.

Ineficiência nos gastos

De acordo com o economista Marcos Mendes, professor do Insper, o governo brasileiro está gastando mais que outros países da América Latina, mas ressalta que os números da pandemia no Brasil mostram que não há eficiência nesses gastos públicos. “Isso indica que, apesar de gastar um volume elevado, a gente está gastando, possivelmente, de forma não eficiente. Porque faltou coordenação, faltou organização, faltou prioridades. Há muito conflito entre o governo federal e o governo estadual”, afirma o economista.

Posição do Ministério da Saúde

O Ministério da Saúde admitiu que gastou bem menos do que o Congresso liberou para as medidas de combate à Covid, e declarou que tem dado apoio irrestrito aos estados e municípios para garantir que não faltem recursos, leitos e todo o empenho para salvar vidas.

Publicado por: Equipe

12 Dicas de Trabalhos que Podem Gerar uma Renda Complementar

O número de desempregos no Brasil, infelizmente, segue crescendo. A crise da pandemia de Covid-19 fez com que isso se agravasse, a situação ficou ainda mais complicada.

Talvez você tenha percebido que serviços autônomos cresceram e as pessoas estão investindo em produzir mais, fazer mais em caso.

Pensando nisso, separamos uma lista com 12 trabalhos que podem te ajudar a conseguir uma renda extra ou um bom dinheiro no final do mês. Confira a seguir!

1. Social Media

Se uma empresa não está na internet, ela pode estar perdendo tempo e oportunidades valiosos. Por isso, a imagem das empresas na web é tão importante e, adquirindo os conhecimentos necessários, você pode fazer de social media uma profissão – muito valorizada atualmente, inclusive.

2. Tradutor

Trabalho que nunca “sai de moda” é o de tradutor. Seja para empresas ou eventos, se você tem fluência em outra língua, essa pode ser uma ótima oportunidade para se destacar. Tradução de textos e livros também são boas apostas!

3. WebDesign

Gosta de trabalhar com programas gráficos como photoshop, corel e semelhante? Esse tipo de produção está em alta! Que tal produzir peças, logomarcas e artes para empresas? Pesquise um pouco sobre as oportunidades e você com certeza encontrará ofertas, já que a demanda é grande.

4. Tutor

Muitas vezes os pais não têm tempo para acompanhar integralmente o aprendizado dos filhos na escola ou para ajuda-los a sanar alguma dúvida. Por isso, recorrem a tutotes, professores de reforço, para ajudarem com essa necessidade. E costuma pagar-se bem, hein!

5. Cuidador de animais

Um casal vai viajar de férias e não pode levar o cãozinho de estimação: você poderia ficar com ele? Recebendo para isso, é claro. Muitos profissionais são especializados em cuidar de animais, seja em ocasiões especiais ou até diariamente. Procure saber mais!

6. Fotógrafo para sites de imagens

Você já parou para pensar como sites como Shutterstock e Alamy conseguem ter um catálogo fotográfico tão grande? Sim, comprando fotos. São milhares de fotos vendidas diariamente e de diferentes pessoas, lugares e situações do mundo. Além disso, você pode ganhar comissões a cada download.

7. Copywriting

A americanização do nome faz parecer algo complexo, mas pode ser mais simples do que você imagina. Esse profissional é o redator que escreve textos especificamente para atrair clientes, focado na prospecção de vendas. Se você tem esse talento, não perca tempo!

8. Vendedor de comidas

Uma receita diferente de hambúrguer, o feijão tropeiro que você aprendeu com sua avó, os doces que você aprendeu na internet: isso pode render um bom dinheiro para você! Vender comida é uma das oportunidades do momento, que é facilitada em grandes cidades por aplicativos como Uber e Ifood. Que tal tentar?

9. Estampador de camisetas

Outra coisa que nunca saiu de moda, nesse caso literalmente, são as camisetas personalizadas. Seja daquela banda coreana que virou febre ou da turma de formatura do terceiro ano, esse tipo de produção, quando feita com qualidade, pode virar febre no seu bairro ou na sua cidade. Que tal investir nisso?

10. Redator

Se você é especialista em alguma área, porque não levar seu trabalho para produzir conteúdos para empresas que necessitem desse tipo de textos? Em alta atualmente, o redator pode se aproveitar de sua expertise para contribuir com material para empresas.

11. Revendedor

Você já conhece os produtos Hinode? O Boticário? Natura? Essas empresas tradicionais vêm mantendo suas vendas assim há anos e você não precisa investir nada, recebendo pela quantidade de vendas. As comissões podem ser generosas se você alcançar um número considerável de clientes.

12. Locador de espaço/quarto

Sua casa é grande e você mora sozinho? Que tal alugar um espaço? Pode ser um quarto que você não utiliza, uma sala vazia ou até mesmo uma garagem. Isso pode te ajudar com as contas e trazer um dinheiro extra no final do mês, sem nenhum tipo de esforço. Pense nisso!

Publicado por: Equipe

As 12 Melhores Franquias Para se Investir no Brasil Hoje

Se você quer começar um negócio baseado no nome de uma grande marca, você precisa considerar a opção de abrir uma franquia.

Elas carregam anos de sucessos e múltiplas lojas pelo Brasil e pelo mundo e podem estar ao seu alcance, gerando bons lucros no futuro.

Por isso, separamos 12 destaques na rede de franquias no Brasil, para ajudá-lo a solidificar o seu negócio. Confira!

O Boticário

Com mais de 35 anos no sistema de franquias, o grupo do O Boticário tem a maior rede do Brasil no segmente e a maior do mundo em perfumaria e cosméticos. A empresa é brasileira, original de Curitiba, e foi fundada em 1977, fazendo parte do sistema de franquias desde 1980. Com quase quatro mil lojas no Brasil e no exterior, o investimento para a franquia está em torno de 90 mil reais.

Havaianas

Elas foram a febre dos anos 90 e continuam muito populares no Brasil e até mesmo no exterior. As sandálias e alpargatas da Havaianas são um sucesso, desde sua criação em 1962. De modelos mais simples aos mais trabalhados, essa franquia tem investimento médio de 250 mil reais em uma loja pequena. A estimativa é que esse valor seja recuperado em apenas 5 meses.

McDonalds

Se eu te pedir três opções de fast-food, dificilmente uma das primeiras que você lembraria não seria o McDonalds. Não é por acaso, a empresa é a maior em gêneros de alimentação no mundo: são mais de 33 mil restaurantes em pelo menos 119 países! Esse crescimento vem desde 1955 e muito foi alcançado através das franquias, permitindo que o Mc tenha mais de 2500 lojas aqui no Brasil. Seu investimento é no valor mínimo de R$ 1,6 bilhão, mas estima-se que seu lucro seja superior a R$ 500 mil mensais.

Giraffas

Com mais de 35 anos de mercado e um faturamento anual de quase 1 bilhão de reais, a Giraffa é uma das opções mais seguras em franqueamento no país. O investimento para se abrir uma loja da marca é de aproximadamente 550 mil reais e a estimativa é que esse dinheiro seja recuperado em no máximo quatro anos. Hoje a Giraffas tem mais de 370 lojas em todo o país.

Hering

Todo mundo já ouviu falar dessa marca, não é? Se brincar, você deve ter uma peça dela agora em seu guarda-roupas. Não é por acaso, são mais de 600 lojas espalhadas por todo o Brasil, o que faz da Hering uma das maiores comerciantes de vestuário no país. Seus produtos são voltados aos públicos adulto e infanto-juvenil e o seu investimento é de R$ 550 mil reais. Há 13 anos consecutivos a Hering ganha o selo de excelência em franquias, seu retorno estimado é de 3 anos.

Maria Brasileira

Mas se você pretende gerenciar um negócio com investimento menor, a melhor opção para você é a Maria Brasileira. A empresa é a líder em prestação de serviços de limpeza e cuidados no Brasil, possibilitando a contratação de profissionais como faxineiros, passadeiros, cozinheiros, cuidadores de idosos, babás e passeadores de cães. Seu investimento é a partir de 31 mil reais e a expectativa de seu retorno é de 12 a 15 meses.

Chilli Beans

A Chilli Beans é a maior rede especializada na produção de óculos escuros e acessórios da América Latina, com mais de 740 pontos de venda espalhados em vários países da América do Sul, América do Norte, Europa e Ásia. Aqui no Brasil seu investimento é de cerca de 123 mil reais.

Ri Happy

A maior rede de brinquedos do Brasil também pode ser um ótimo negócio para quem procura abrir uma franquia! Fundada ainda nos anos 80, a Ri Happy tem mais de 160 lojas pelo país e é referência nacional no ramo de venda de brinquedos. O investimento na franquia da Ri Happy tem valor mínimo de um milhão e quinhentos mil reais.

Uptime

Hoje em dia, compreender e falar inglês é uma necessidade para várias profissões no Brasil, compreendendo que o mundo está cada vez mais globalizado. E a líder do setor de idiomas no país é a Uptime, premiada como a melhor franquia do Brasil em seu segmento. O valor mínimo de seu investimento é de 95 mil reais.

Cebrac

Qualidade garantida na área educacional? Escolha o Cebrac! A empresa é tetracampeã no prêmio de melhor franquia do Brasil. O Centro Brasileiro de Cursos nasceu em 1995, oferecendo cursos profissionalizantes em diversas áreas profissionais. A empresa virou um sucesso e tem faturamento médio de 170 mil reais. O seu investimento está em torno de R$ 350 mil.

Bibi

A tradicional loja de calçados infantis, fundada em 1949, é sucesso mundial. Além do Brasil, a Bibi exporta para mais de 60 países. Sua franquia foi criada em 2007 e hoje já está presente em 25 estados brasileiros. Para contratar a franquia o investimento é de 165 mil reais, com faturamento mensal de 80 mil.

Fast Açaí

140 lojas, 8 anos de atuação e presença internacional: a Fast Açaí tem números impressionantes para um produto tão específico e em tão pouco tempo. A rede é a maior na produção de derivados do açaí no Brasil e tem produção própria, além de profissionais capacitados. Seu investimento é de 70 mil reais e seu faturamento médio de 35 mil reais.

Publicado por: Equipe

Confira 12 Dicas Para se Proteger de Ataques e Não Perder Seus Dados

Em meio à pandemia do novo coronavírus (Covid-19), outro fator assusta a população. Desde o início do isolamento social, há quatro meses, houve um considerável aumento dos ataques cibernéticos, colocando em risco até mesmo a conta corrente de muitos usuários. Alguns especialistas em cibersegurança apontam o aumento de dispositivos conectados, principalmente pelos acessos remotos das atividades via home office, responsáveis pelo aumento da vulnerabilidade das empresas.

Só no Brasil já ocorreram mais de 1,6 bilhão de ataques cibernéticos em três meses no Brasil. Outro problema é que durante a Covid-19 aumentaram, e muito, os ataques hackers contra empresas. As ferramentas que permitem o acesso remoto tiveram um aumento de 333% em nosso país, de acordo com levantamento da Kaspersky. Alertam ainda que não podemos saber, desse percentual, quantos evoluíram para o crime de dupla extorsão. Nesse golpe, os hackers sequestram dados, pedem resgate e, caso não recebam o dinheiro, leiloam as informações em tempo real.

Dados da Fortinet Threat Intelligence Insider Latin America, conhecida ferramenta que coleta e analisa incidentes de segurança cibernética em todo o mundo, revelam o registro de 85 bilhões de tentativas de ataques cibernéticos no ano de 2019. Só no Brasil, ocorreram mais de 24 bilhões de tentativas de ataques, uma média de 65 milhões de tentativas ao dia. Números assustadores.

Companhias elétricas acabam se tornando alvos preferidos dos criminosos, pois por serem serviços sociais imprescindíveis, podem forçar pagamentos, normalmente cobrados em criptomoedas. Também a Avon, do segmento de cosméticos, e a Cosan, conglomerado de açúcar, combustíveis e logística do país foram vítimas desses criminosos.

Em casos recentes, como da maior fabricante de produtos militares do mundo, a Lockheed Martin, teve sua rede invadida por hackers que tinham como alvo os trabalhadores remotos. Isso é bem preocupante, pois se os hackers conseguem invadir um sistema desses, podemos imaginar o que eles podem fazer com conexões com pouca ou desprovidas de segurança.

A Organização Mundial de Saúde (OMS), o Departamento de Saúde dos Estados Unidos, além de outras organizações foram alvos dos hackers nos últimos meses. A Cyfirma, empresa de segurança, afirma que houve aumento de 600% de ataques que tem o coronavírus como tema, isso apenas entre fevereiro e março. No Brasil, a Companhia Paulista de Força e Luz (CPFL), Cosan, Aliansce Sonae e Arteris também foram vítimas do ataque cibernético, de acordo com o El País.

Como funciona esse golpe? Os cibercriminosos invadem os sistemas, sequestram os dados e deixam a rede interna criptografada, ou seja, os donos dos dados não conseguem acessá-los. Na sequência pedem resgate para liberar esses dados, pois caso contrário as informações roubadas podem ser vendidas ou se tornarem públicas na deep web.

Quem está por trás desses golpes?

Os hackers! Alguns estudos, realizados por sites especializados, apontam que existem no mínimo 11 gangues atuando só neste tipo de cibercrime. Foram atacadas pelo menos 100 empresas, e destas, 22, que não quiseram pagar pelo resgate, estão com seus dados sendo leiloados em tempo real. Os dados da pop star Mariah Carey, por exemplo, têm lance inicial em US$ 600 mil. Os dados da atriz fazem parte do pacote da Grubman Shire Meiselas & Sacks, de Nova York, que é um escritório de advocacia do ramo do entretenimento, que também tem como clientes Madonna, Lady Gaga e Elton John.

Em abril deste ano, nosso país foi alvo de mais de 60% dos ataques na América Latina, isso, de acordo com a Kaspersky. Seguem em segundo lugar a Colômbia, depois o México, Chile, Peru e Argentina.

Outros ataques são provenientes de links falsos de cervejaria, onde oferecem bebida grátis para os que optarem por isolamento social, clones de lives de show para arrecadar doações, além dos conhecidos golpes praticados por estelionatários fazem parte de um relatório da Cybersecurity Intelligence, que durante os meses de março e maio um aumento de 41.000% de sites suspeitos de fazer uso do Covid-19 no Brasil. De 2.236 passaram para 920.866. Os criminosos se aproveitam e utilizam temas que são relacionados à Covid-19 para sensibilizar as pessoas e consequentemente tirar algum proveito.

O WhatsApp também tem sido ferramenta para aplicar golpes. O golpista se faz passar por funcionário do Ministério da Saúde e após algumas questões, o golpista envia um código de certificação da pesquisa, e após a pessoa enviar a mensagem seu dispositivo fica bloqueado e seus dados violados, sendo a vítima coagida a efetuar pagamentos para liberar seu dispositivo.

Mas o que tem proporcionado esse aumento de ataques durante a pandemia?

Os especialistas apontam questões básicas como as redes que não fazem uso da certificação, os roteadores abertos, mais fáceis de configurar, e o maior volume de conexões em todas as esferas, são possíveis portas abertas para a invasão dos criminosos. Não podem se considerar seguras nem as empresas que ofereceram uma VPN, que é uma rede de comunicação privada.

Afinal de contas, como podemos nos proteger?

Algumas dicas, simples, mas que podem fazer a diferença:

  1. Criar senhas fortes, evitando combinações óbvias, datas de aniversário, nome do pet, da filha, filho entre outras não devem ser utilizadas. Alterar a senha das redes sociais e e-mail periodicamente; o ideal seria fazer isso a cada três meses.
  2. Não compartilhe fotos íntimas, pois elas poderão servir, além de outras situações, para extorsão. Evitar divulgar fotos de crianças, principalmente com uniformes escolares. Colocar apenas a imagem sem a localização pode ser uma alternativa para quem quer fazer postagens.
  3. Verificar sempre se a webcam está desativada, pois alguém pode estar espiando você e sua casa ou empresa.
  4. Nunca abrir e-mails desconhecidos, muito menos responder. Ficar atento a e-mails, links e SMS falsos: fenômeno chamado de phishing, em que criminosos “pescam” os dados pessoais logo após o clique.
  5. Não se deve deixar as redes sociais ou e-mail abertos quando não estiver usando.
  6. Não fazer uso de apps bancários em locais movimentados ou que tenham câmeras.
  7. Instale antivírus no computador, notebook ou dispositivos móveis. Manter softwares e antivírus sempre atualizados, pois os fabricantes costumam lançar atualizações que corrigem algumas falhas, inclusive contra vírus.
  8. Evite ter uma só senha para tudo, e nunca compartilhe essas senhas com alguém.
  9. Atenção redobrada ao divulgar por meio de fotos e check-ins o endereço de residência ou lugares que frequenta. Uma dica útil é postar nas redes após sair do local.
  10. Evitar publicações que exponham placa de veículo.
  11. Analisar bem a pessoa que solicita amizade ou faz qualquer tipo de contato antes de adicioná-la nas redes sociais.
  12. Utilizar o modo de navegação anônima para garantir mais privacidade. Disponível em navegadores como Firefox e Chrome. Neles, basta usar o comando Ctrl+Shift+N.
Publicado por: Equipe

17 Locais do Interior do Brasil que Você Precisa Conhecer

O turista estrangeiro, em geral, quando vem ao Brasil, procura conhecer o litoral, isso porque sem dúvida alguma, é um dos mais famosos e bonitos do mundo! Ninguém duvida, não é verdade?! Apesar disso, você já parou para pensar que também há muita beleza e opções incríveis para se conhecer no interior do país?

As opções vão desde cachoeiras fantásticas, trilhas incríveis, até lugares gastronômicos, com uma variedade de comida muito grande; e outros, para simplesmente relaxar e descansar, para se retornar renovado para a rotina de cada dia!

Pensando nisso, o Alto Tietê preparou uma lista com 17 lugares diferentes, entre cidades e regiões, espalhados pelo Brasil, para que, em sua próxima viagem, você escolha aquele ou aqueles que melhor se encaixa em seu perfil. Siga conosco e boa viagem!

1. Jalapão, Tocantins

Destino já conhecido pelos apaixonados pelo ecoturismo e turismo de aventura. Localizada no Estado do Tocantins, a região encanta por suas águas abundantes, chapadões e serras com clima de savana, além da paisagem de cerrado, com direito a dunas alaranjadas, rios encachoeirados, nascentes e impressionantes formações rochosas.

A cada ano, cresce o número de brasileiros e estrangeiros que se aventuram rumo ao Norte do Brasil em busca desse, que já é um dos principais destinos do ecoturismo do país. A maioria dos atrativos está localizada nas cidades de Mateiros, Novo Acordo, Ponte Alta do Tocantins e São Félix do Tocantins. Em meio a 34 mil km² de paisagem árida, a região é cortada por uma imensa teia de rios, riachos e ribeirões, todos de águas transparentes e potáveis.

Os atrativos garantem diversão o ano inteiro, seja no período chuvoso ou de estiagem, de acordo com o perfil e interesse do turista. Para os mais aventureiros, a região é ideal para prática de esportes, entre eles o rafting, a canoagem, o rapel e as trilhas a pé e de bicicleta.

Entre os atrativos mais procurados estão a Cachoeira da Velha, uma enorme queda d’água em forma de ferradura de aproximadamente 100 metros de largura e 15 metros de altura; as Dunas, cartão postal do Jalapão, compostas por areias finas e alaranjadas que chegam a 40 metros de altura; os Povoados do Mumbuca e Prata, comunidades remanescentes de quilombos, cuja visitação possibilita ao turista vivenciar a cultura local; a Serra do Espírito Santo, formação rochosa onde é possível apreciar a flora da região; a Cachoeira do Formiga, um encantadora nascente de água verde-esmeralda; e os Fervedouros, com suas águas transparentes, nas quais é impossível afundar.

2. Chapada Diamantina, Bahia

Um dos principais destinos de ecoturismo do Brasil, a Chapada Diamantina possui cachoeiras, rios, cânions e grutas que formam um cenário único, que você precisa desfrutar! Localizada no estado da Bahia, a região é responsável por quase todas as nascentes do rio Bacias do Paraguaçu e do Rio de Contas.

Reduto de belezas naturais, a Chapada Diamantina abriga uma diversidade grande de fauna e flora. São mais de 50 tipos de orquídeas, bromélias e trepadeiras, além de espécies animais raras, como o tamanduá-bandeira, tatu-canastra, porco-espinho, gatos selvagens, capivaras e inúmeros tipos de pássaros e cobras.

Além disso, você não pode deixar de curtir as várias cachoeiras, grutas, poços de águas transparentes e diversas trilhas, além de visitar as cidades históricas, de um povo hospitaleiro e gastronomia deliciosa!

O Parque Nacional da Chapada Diamantina foi criado na década de 80 e hoje atua como órgão protetor de toda essa exuberância!

3. Chapada dos Veadeiros, Goiás

O Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, localizado na região centro-oeste de Goiás, é uma unidade de conservação natural que reúne cachoeiras e belas paisagens, ao longo de três cidades: Alto Paraíso de Goiás (229 km de Brasília), São Jorge (265 km de Brasília) e Cavalcante (308 km da capital federal).

Além de suas belezas naturais, a Chapada dos Veadeiros oferece uma pegada esotérica e mística aos seus visitantes, já que se acredita que o local é frequentado por vida extraterrestre. Quem quiser se aventurar entre os paredões rochosos e trilhas da região precisa conhecer este local imperdível!

Uma das quedas d’água mais bonitas da Chapada dos Veadeiros é a Cachoeira de Santa Bárbara. Localizada na cidade de Cavalcanti, a cachoeira forma um poço extremamente cristalino e colorido, com águas que vão do laranja ao turquesa.

Chegar a esse paraíso natural não é fácil, mas vale todo o esforço, já que o turista precisa percorrer 25 km até a comunidade Kalunga Engenho II (maior reserva de quilombolas do Brasil) e ir até o CAT (Centro de Atendimento ao Turista) para contratar um guia que vai levá-lo até o local. Da comunidade até a cachoeira o turista ainda precisa encarar 5 km percorridos a pé, em uma trilha de dificuldade média.

4. Amazônia, Amazonas

Visitar a Amazônia é deparar-se com o segundo rio mais extenso do mundo, o Amazonas. Ele nasce no sul do Peru e cruza praticamente toda a região Norte do Brasil, antes de desaguar no Oceano Atlântico. Em Manaus, você pode fazer um passeio que te leva ao ponto de encontro de dois dos seus afluentes: o Rio Negro, de águas escuras, e o Solimões, de águas avermelhadas. O visual é incrível: duas colorações distintas que se cruzam para formar o Rio Amazonas.

Com quase 7 mil km de comprimento e mais de mil afluentes, a região abriga inúmeras espécies, algumas ainda não reconhecidas. Na Bacia Amazônica, estima-se que vivam mais de 2,1 mil tipos de peixes: são piranhas, aruanãs, pirarucus e tantos outros. A Amazônia também detém a mais ampla coleção de plantas vivas e de espécies animais do planeta, que se apresenta como santuário verde a ser preservado pelo bem de toda a humanidade.

Por todo o ano, o turista pode aproveitar a sazonalidade da floresta de várzea (onde vivem as comunidades, principais responsáveis por sua conservação), o que permite vivenciar a natureza local em época de cheia, quando ela fica alagada, e de seca. Os roteiros são opções de ecoturismo e incluem caminhadas pela floresta, passeio de canoa por trilhas aquáticas, experimentação de comidas típicas e contato com o estilo de vida de comunidades ribeirinhas e de algumas tribos indígenas da Amazônia. Um dos roteiros leva você através do Parque Ecológico do Lago Janauari, prometendo um passeio inesquecível. A porta de entrada para a floresta é Manaus, capital do Amazonas.

5. Bonito, Mato Grosso do Sul

Bonito seria uma pacata cidadezinha do interior se, em meados dos anos 70, o peão de uma fazenda não tivesse descoberto um buraco no chão. Dentro do buraco de 72 metros de profundidade – batizado de abismo Anhumas – havia um imenso lago de águas cristalinas tomado por estalactites. Aos poucos, o tal buraco, a encantadora gruta da Lagoa Azul, as cachoeiras e os rios incrivelmente transparentes e repletos de peixes coloridos ganharam fama e infraestrutura turística, tornando a região, na década de 90, uma espécie de Disney ecológica.

Cavernas e quedas d´água transformaram-se em pano de fundo para a prática do rapel; as matas foram cortadas por trilhas planejadas e circuitos de arvorismo; e os rios – verdadeiros aquários naturais graças ao calcário das rochas que contornam os leitos – viraram cenários para mergulhos autônomos e livres.

Exemplar no quesito turismo sustentável, Bonito se destaca quando o assunto é preservação e exploração da natureza de maneira responsável. Por questões ambientais, os passeios que levam a cachoeiras, grutas, trilhas e nascentes são obrigatoriamente acompanhados por guias locais credenciados. Sem eles, é impossível curtir os atrativos, já que muitos recebem um número limitado de visitantes por dia e ficam dentro de propriedades particulares, sendo fundamental fazer reservas com antecedência nas agências da cidade.

6. Serra da Canastra, Minas Gerais

A Serra da Canastra é destino perfeito para quem gosta de ecoturismo e turismo de aventura. Localizada no sudoeste de Minas Gerais, é ali que está o Parque Nacional da Serra da Canastra, um dos mais importantes do Brasil.

O Parque tem atrações históricas, como a nascente do Rio São Francisco e a Casca d’Anta, primeira queda do “Velho Chico”, com 186 metros de altura, e paisagens exuberantes de onde se pode observar animais silvestres, como o Tamanduá-Bandeira, o Lobo-Guará e o Pato Mergulhão, que está ameaçado de extinção.

É claro que não deixaremos de falar do famoso Queijo Canastra, considerado Patrimônio Cultural Imaterial Brasileiro, pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). É comum visitar as fazendas, conhecer o processo artesanal de produção dos queijos e ainda degustar esse produto tão típico e tão saboroso que só existe ali!

A Serra da Canastra fica na região sudoeste de Minas Gerais e tem uma vegetação que mistura uma borda de Mata Atlântica e marca o início do Cerrado, em uma área de quase 200 mil hectares. O nome vem do formato da serra, que se assemelha a um baú, antigamente chamado de canastra.

7. Capitólio, Minas Gerais

Quem disse, por aí, que Minas não tem mar? Capitólio é um lugar único em Minas Gerais! Trata-se de uma região privilegiada por cânions e cachoeiras de águas cristalinas, onde os aventureiros encontram um verdadeiro oásis em meio ao calor do estado. Não é à toa que o local foi apelidado de “Mar de Minas”.

A cidade oferece um contato único com a natureza, apresenta paisagens surpreendentes, além da sensação de estar em meio ao paraíso!

Um dos lugares mais visitados na região é o Lago de Furnas. O lago é uma das maiores extensões de água de todo o estado, ganhando o apelido de Mar de Minas. Combinado com vários cânions e quedas d’água, o lugar forma uma das paisagens mais bonitas do Brasil. Trata-se de um lago artificial que foi formado para permitir a geração de energia, pela Usina Hidrelétrica de Furnas, em 1963. Hoje serve como roteiro de passeios e banhos refrescantes em meio ao calor do estado de Minas.

Para quem gosta de conhecer cachoeiras paradisíacas, Capitólio é o lugar certo! Entre as mais famosas estão a Cachoeira do Poço Azul, que deságua diretamente no Lago de Furnas, oferecendo aos turistas uma verdadeira vista deslumbrante enquanto se refrescam. Outro lugar incrível é a Cachoeira Dicadinha. Com ares ‘mais selvagem’ e em meio à natureza, ela oferece uma pequena queda d’água e uma enorme piscina natural. É ideal para relaxar, já que há um ótimo poço para banho.

8. Serra do Cipó, Minas Gerais

A Serra do Cipó fica localizada a 100 km de Belo Horizonte. Inserida na Estrada Real e Circuito do Diamante, a Serra do Cipó faz parte da Cordilheira da Serra do Espinhaço e tem em seu território a diversidade de fauna e flora, com várias espécies em extinção. Inclusive, sua flora é composta pela transição do bioma cerrado para Mata Atlântica.

O Parque Nacional da Serra do Cipó é uma Unidade de Conservação (UC) reconhecida e preservada, o que faz com que as exuberantes paisagens e inúmeras espécies de animais se mantenham.

No centro comercial da Serra do Cipó existem restaurantes, pizzaria, hamburguerias e barzinhos com som ao vivo à noite. Portanto, se quiser sair à noite, para tomar uma cervejinha e comer um tira gosto, lá é o lugar ideal. Durante o dia, os restaurantes também servem almoço.

Se você gosta de cachoeiras, este é um ótimo lugar para passar alguns dias explorando a natureza! E a melhor parte é que das diversas opções, existem quedas d’água para todos os gostos, dos iniciantes em trilhas até os mais aventureiros.

9. Foz do Iguaçu, Paraná

Engana-se quem pensa que Foz do Iguaçu é uma cidade pequena no interior do Paraná. A 650 km da capital do estado, Curitiba, o município tem cerca de 300 mil habitantes e é um dos destinos mais procurados por estrangeiros no Brasil. O turismo é o principal pilar da economia local, graças às paisagens deslumbrantes em sua extensão.

Quem nunca foi até a cidade com certeza já ouviu falar da sua principal atração e uma das sete maravilhas naturais do mundo, as Cataratas do Iguaçu, no Parque Nacional do Iguaçu (Patrimônio Mundial Natural da Humanidade tombado pela UNESCO). É possível visitar as cataratas tanto pela parte brasileira quanto pelo lado argentino, na cidade de Missiones.

Além das Cataratas, a Hidrelétrica Binacional de Itaipu também atrai os olhares de turistas na cidade. A Usina é a segunda maior do mundo em tamanho e a primeira em produção de energia. Para os amantes de animais, a cidade de Foz possui o Parque das Aves com aproximadamente 900 aves de quase 150 espécies.

Foz do Iguaçu também é famosa por estar em um território trinacional, isto é, em uma região que faz fronteiras com outros dois países além do Brasil: a Argentina através de Puerto Iguazú e o Paraguai pela Ciudad Del Este. Esta divisão territorial é mais um atrativo para os visitantes, que costumam pernoitar na cidade iguaçuense e atravessar a Ponte da Amizade durante o dia para fazer compras nas cidade vizinha.

10. Caldas Novas, Goiás

Com água quentinha por todos os lados, o melhor a fazer em Caldas Novas, localizada no Sul de Goiás, é mergulhar nas piscinas dos hotéis e dos parques aquáticos, seja para relaxar ou para brincar. Não deixe de conhecer o Rio Quente Resort, um complexo de hotéis e atrações como o Parque das Fontes (com bares molhados e piscinas térmicas que funcionam 24 horas) e o Hot Park, mais radical e divertido, com corredeiras e toboágua.

Quem ficar com saudades da água fria pode curti-la no passeio que descortina a Serra de Caldas. O parque estadual oferece trilhas com direito a banhos em cachoeiras de águas geladas. Já o Lago de Corumbá convida à prática de esportes náuticos. O tour deve incluir também uma visita à Lagoa Quente de Pirapitinga, o local onde brotam as águas de maior temperatura da região.

11. Campos do Jordão, São Paulo

Situada no Vale do Paraíba, no interior de São Paulo, Campos do Jordão oferece atrativos para todos os gostos, dos amantes da natureza aos praticantes de esportes radicais, até os que desejam um tranquilo passeio urbano, nesta fria cidade interiorana. Para os apreciadores das artes, um bom roteiro pode ser a visita ao Palácio Boa Vista, sede de inverno do governo do estado. O prédio já vale a visita; além disso, ele conta com um acervo de 3.500 obras de arte e as visitas guiadas são gratuitas.

Perto dali, há o Museu Felícia Leirner, com obras da escultora – nascida na Polônia e naturalizada brasileira -, ao ar livre. O Horto Florestal é destino certo para os que buscam o contato com a natureza, permitindo agradáveis trilhas em meio à mata. Os jardins do parque Amantikir e o borboletário Flores que Voam compõem bem o roteiro. Para quem gosta de emoção, pode dar uma passadinha no Centro de Lazer Tarundu ou no rancho Radical para uma incrível tirolesa em meio às araucárias.

Não importa a sua escolha, no fim da tarde, é nas ruas enfeitadas do Capivari que todos se encontram para curtir o clima frio, passear, fazer compras ou mesmo sentar-se e apenas observar o vaivém dos turistas, elegantes em seus cachecóis e sobretudos. Um dos pontos turísticos clássicos da cidade, o Morro do Elefante é visita indispensável para quem deseja, de fato, conhecer Campos. Conta-se que o nome foi dado devido ao seu formato, que lembraria, em tempos antigos, a tromba de um elefante. Subir até lá de teleférico, trenzinho ou de carro mesmo, para apreciar e fotografar a vista, é daqueles programas que nunca mudam, mas que todo turista faz.

Campos do Jordão tem o sistema de teleférico mais antigo do Brasil, inaugurado em 1972. Por apenas R$ 17 você embarca na praça da Estação do Capivari, sobe ao Morro do Elefante e faz o trajeto de volta. Se quiser, pode levar como lembrança uma foto sua na cadeirinha, que é individual.

12. Ouro Preto, Minas Gerais

A cidade de Ouro Preto, antiga Vila Rica, é considerada uma das maiores riquezas de Minas Gerais. Está localizada a 95 km da capital Belo Horizonte.

Patrimônio Histórico da Humanidade, a cidade atrai turistas por sua importância histórica e seu conjunto de construções em estilo barroco. Ouro Preto também abriga opções para quem gosta de curtir a natureza, como cachoeiras, mirantes, trilhas e rios.

Na Semana Santa, a cidade fica bem movimentada. Muita gente vem de longe para conferir as belezas das procissões e dos tapetes de flores e serragens que colorem ruas e ladeiras. Para fugir do burburinho, as opções são embarcar na antiga maria-fumaça que leva à vizinha Mariana ou seguir para o Pico do Itacolomi, protegido em um parque estadual com 75 km² repletos de mirantes naturais.

13. Circuito das Águas, São Paulo e Minas Gerais

Localizado no interior dos estados de São Paulo e Minas Gerais, mais precisamente na Serra da Mantiqueira, o circuito das águas é uma das mais famosas rotas turísticas do Brasil. Abrangendo nove municípios paulistas, além de 11 do Sul de Minas, o circuito é bastante conhecido por conta de suas estâncias termais, locais históricos e ecoturismo. Para chegar até lá, é possível explorar diversas opções de transporte, especialmente de ônibus.

Fazem parte do circuito das águas cidades como Águas de Lindóia, Amparo, Holambra, Jaguariúna e Serra Negra, em São Paulo, além de Lambari, Caxambu, São Lourenço, Campanha e Três Corações, em Minas.

Um dos passeios mais tradicionais do circuito das águas é o tradicional passeio de Maria Fumaça. Ao todo, o trajeto que inicia em Jaguariúna possui 24,5 quilômetros com destino final até Campinas. Anualmente, cerca de 30 mil passageiros curtem o passeio na locomotiva paulista. O percurso leva aproximadamente três horas e meia caso você resolve fazê-lo completo e explora basicamente lindíssimas paisagens rurais e até cenários históricos, que são descritos em detalhes pelos monitores da Maria Fumaça.

14. Olímpia, São Paulo

Entre as cidades mais turísticas do Estado de São Paulo está Olímpia. O município fica a 430 km da capital paulista, localizado na região do Aquífero Guarani, e conta com pouco mais de 50 mil habitantes. A cidade é ideal para descanso, diversão e contato com a natureza. A cidade possui atrações únicas, que destacaremos a seguir:

Museu do Folclore: A cidade tem o título de “Capital do Folclore”, no Museu é possível ter acesso a um dos acervos do Brasil mais completos envolvendo o tema, são mais de três mil peças. Inclusive, a mais antiga do lugar é uma locomotiva de 1892, chamada de “Maria Olímpia”. O local fica aberto de terça a sexta-feira, das 9h às 16h e de sábado e domingo das 10h às 14h.

Thermas dos Laranjais: quem gosta de parques aquáticos vai ficar maravilhado com o Thermas dos Laranjais. O local foi considerado, em 2014, o parque aquático mais visitado da América Latina, com quase dois milhões de turistas, que passaram pelo parque naquele ano. São mais de 50 atrações, entre elas pista de surfe (única no Brasil), piscinas de sonolências e rio lento de corredeira. A infraestrutura do local é completa com restaurantes e bares disponíveis. O Thermas dos Laranjais está aberto na segunda-feira, das 9h às 20h, e de terça-feira a domingo, das 8h às 20h.

15. Gramado, Rio Grande do Sul

A cidade de Gramado está entre os mais charmosos e aconchegantes pontos turísticos da Serra Gaúcha. Sua arquitetura, inspirada em estilos europeus, é presença marcante nos hotéis, museus, lojas e casas. Encanta, também, o urbanismo, o cuidado com a natureza, as ruas floridas, as tradicionais hortênsias e o verde exuberante das mais variadas espécies de árvores.

Durante todo o ano, o glamour toma conta da região, e pode-se aproveitar para conhecer as fábricas de chocolate localizadas lá ou, até mesmo, dar um passeio pelos museus, como o Museu dos Perfumes ou o Museu da Moda, este, em Canela, uma cidade vizinha e também repleta de atrativos. Além disso, outra boa dica é visitar o Lago Negro, com árvores importadas da Floresta Negra da Alemanha.

Distante apenas 115 quilômetros da capital Porto Alegre, os caminhos que levam até Gramado são repletos de rotas turísticas, com extensas plantações de plátanos. Conta também com a maior infraestrutura turística do Rio Grande do Sul, com dois grandes centros de feiras e eventos, uma ampla rede hoteleira e uma rede gastronômica que garante um atendimento simultâneo de 15 mil pessoas.

16. Tiradentes, Minas Gerais

Tiradentes convida os visitantes a belos dias de descanso. A cidade é linda, tranquila, bem pequenina e sem muitas obrigações turísticas a cumprir. O conjunto de fatores perfeito para quem deseja se desconectar do corrido dia a dia para curtir momentos de puro deleite em meio a paisagens encantadoras e casarões coloniais apaixonantes. Tudo regado ao melhor da tradição mineira e um delicioso roteiro gastronômico.

O Centro Histórico de Tiradentes é repleto de belas obras arquitetônicas. Algumas construções merecem atenção especial pela beleza e importância histórica. É o caso da antiga cadeia pública, onde hoje funciona o Museu de Sant’Anna; o solar onde viveu o inconfidente Padre Toledo, agora Museu Casa Padre Toledo; a sede do Museu da Liturgia, construída na primeira rua de Tiradentes; a Câmara Municipal (Rua da Câmara) e a Prefeitura Municipal (Largo das Forras), que funcionam em casarões do início do século XVIII; a Ponte das Forras e o Chafariz de São José. Apesar dessas obras serem destaque, elas não são as únicas. O Centro Histórico de Tiradentes é repleto de belas obras.

Uma boa maneira de conhecer mais sobre a história de Tiradentes e dar uma volta rápida pelo Centro Histórico são os passeios de charrete e de jardineira. As charretes estão entre as mais tradicionais imagens de Tiradentes. Sempre coloridas, elas são puxadas por cavalos que levam os visitantes para uma volta pelo Centro Histórico. O charreteiro conta várias curiosidades sobre Tiradentes para os visitantes. As charretes estão localizadas no Largo das Forras e o passeio custa R$ 25, com direito a algumas paradinhas para fotos. O Passeio de Jardineira funciona na mesma linha, com a diferença de ser feito sempre à noite e com o uso de uma jardineira de 1935, chamada de Charmosa, propriedade do Museu do Automóvel. O passeio tem 1h45 de duração, passa pelos principais pontos do Centro Histórico e também é repleto de informações sobre a cidade. O custo é de R$ 50 por pessoa e o passeio deve ser agendado por telefone.

Visitar Tiradentes e não dar uma passadinha na vizinha São João del Rei é quase impossível! A cidade também oferece belas atrações e merece um dia de passeio. E como tornar o passeio melhor ainda? Vá de Maria Fumaça! Sim! Aquele maravilhoso trem de antigamente, literalmente com fumaça saindo pela chaminé, pode ser o seu meio de locomoção de Tiradentes a São João del Rei. O passeio só está disponível de sexta a domingo e tem custo de R$ 50 (ida) e R$ 60 (ida e volta).

17. Congonhas, Minas Gerais

Você já ouviu falar da cidade dos profetas? Pois é assim que é conhecida Congonhas, considerada por muitos a melhor cidade de pequeno porte do Brasil. Além disso, ela fica a 78 km de Belo Horizonte, não muito longe da capital mineira.

A principal riqueza de Congonhas, a Basílica do Senhor Bom Jesus de Matosinhos, nasceu da promessa de um imigrante português. Depois de anos trabalhando em minas de ouro, Feliciano Mendes adoeceu e jurou que se recuperasse a saúde mandaria erguer um templo. Curado, o garimpeiro deu início às obras em 1757. Entretanto, morreu pouco tempo depois, sem saber que de sua iniciativa surgiria um dos maiores tesouros da arte barroca do país. E, de fato, essa obra foi reconhecida como Patrimônio Mundial pela Unesco em 1985.

O rico conjunto barroco é dividido em três partes, sendo que a principal atração está ao ar livre. Trata-se do adro, onde os doze profetas esculpidos em pedra-sabão pelo famoso Aleijadinho dão as boas-vindas! As estátuas foram trabalhadas entre 1800 e 1805 e a imagem de Daniel é considerada o auge do talento do artista. Congonhas é conhecida por abrigar os 12 profetas esculpidos em pedra-sabão por Aleijadinho. Por isso a igreja onde eles ficam é parada obrigatória para quem está conhecendo a cidade.

Essas esculturas integram um dos principais conjuntos de arte barroca da América Latina. Localizadas na Basílica do Senhor Bom Jesus de Matosinhos, nela se destacam também 66 figuras em cedro. Essas figuras representam a Paixão de Cristo, outro importante trabalho do artista mineiro. A basílica abre as portas logo às 6h, encerrando as visitas às 18h.

Publicado por: Equipe

Riqueza x Pobreza: Veja Quais São os Estados Mais Ricos e Mais Pobres do Brasil

O Brasil registrou um rendimento anual per capita de R$ 17.264,04, em 2019, o que demonstra um crescimento de 4,6% em relação ao ano anterior, de acordo com estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

No entanto, este número não é o mesmo em todas as 27 unidades federativas do país, visto que há uma grande concentração de renda nas cidades que mais recebem investimentos, onde os indivíduos mais abastados tendem a morar.

Para calcular a renda familiar per capita, devemos somar todos os valores recebidos na família e dividir pelo número de habitantes de uma casa, e o IBGE determina quais Estados tem a maior e a menor renda per capita do país com base nos dados do Censo. Veja se o seu Estado está classificado como um dos mais ricos ou um dos mais pobres do Brasil

1 – São Paulo

Renda per capita média: R$ 57.759,39

Localizado na região sudeste do país, o Estado de São Paulo é o centro financeiro e industrial do Brasil e, precisamente na Grande São Paulo, existe o maior centro polindustrial brasileiro, formado por 39 municípios e constituindo o maior parque industrial da América Latina.

O Estado também é conhecido por ser o mais populoso do Brasil, e sua capital aparece na 10º posição do ranking das maiores cidades do mundo, sendo também a maior cidade do continente americano.

A área que corresponde hoje ao território paulista equivale a 2,9% da superfície do Brasil, sendo um pouco maior do que o Reino Unido, e as empresas financeiras que mais tem crescido no Estado são: Itaú Unibanco, Santander, banco Safra e Citibank.

2 – Rio de Janeiro

Renda per capita média: R$ 22.584

O Rio de Janeiro é o segundo Estado mais rico do país, e sua economia gira em torno da produção televisiva, comércio, exportação de matérias primas e acima de tudo, do turismo.

Situado na região sudeste do país, de fato é o Estado mais visitado do Brasil, devido às suas belezas naturais e a cultura do local, já que abrigou por muitos anos a família real portuguesa e, inclusive, chegou a ser capital do Brasil entre 1763 e 1960.

O estado do Rio de Janeiro é quarta maior economia da América do Sul, tendo um Produto Interno Bruto superior ao do Chile, e sediando empresas de destaque, como a Petrobrás, TIM, Amil e banco Modal.

3 – Rio Grande do Sul

Renda per capita média: R$ 22.116

Situado na região sul do país, o Rio Grande do Sul se destaca especialmente pelas atividades agrícolas, industriais e turísticas.

O Estado produz e vende em grande quantidade produtos como arroz, milho, mandioca, cana de açúcar, laranja e alho, além da extração de água mineral que é famosa por todo o país. O parque industrial gaúcho dedica-se principalmente aos ramos petroquímico, tabagista, de calçados, de construção, de alimentos, automobilístico e indústria naval.

Na área turística, há uma grande variedade de entretenimento, visto que o Rio Grande do Sul contém paisagens diversificadas, que comportam desde belas praias passando pelo ecoturismo e se fortalecendo no turismo gastronômico.

Entre as empresas com sede no Estado, se destacam o Sicredi, Banrisul, lojas Renner e Camil Alimentos.

4 – Minas Gerais

Renda per capita média: R$ 16.296

Com uma área territorial de 586.521,123 km², Minas Gerais é considerado o quarto estado com a maior área territorial e o segundo em quantidade de habitantes no Brasil.

Segundo dados do Censo, este Estado é responsável por 12,7% dos produtos vendidos ao exterior no país, como minério de ferro, café, ferro-ligas e ouro. Além disso, a economia do Estado é fortalecida com a agropecuária, indústrias ligadas à extração de metais, hidroelétricas e prestação de serviços.

Nos últimos anos, Minas Gerais tem crescido na área tecnológica e no investimento em empresas que trabalham para otimizar os serviços financeiros do sistema brasileiro, como Banco Inter, banco BMG, a Zup e o banco BS2.

Agora vamos mostrar os Estados mais pobres do Brasil, de acordo com os dados do IBGE.

1 – Maranhão 

Renda per capita média: R$ 7.632

Localizado no nordeste brasileiro, o Maranhão é o 11º estado mais populoso do Brasil e o que tem a menor renda per capita, com a renda per capita próxima a meio salário mínimo por pessoa.

Com sua economia grande parte primária, a agricultura, pecuária e a pesca são atividades importantes no estado, visto que ele tem o segundo maior litoral do Brasil. Seu destaque de produtos está na cana-de-açúcar, mandioca, milho e soja.

O Maranhão tem o privilégio de possuir, a maior diversidade de ecossistemas de todo o País, mas nem toda essa beleza atraindo turistas é capaz de suprir todas as necessidades da população que conta com altos índices de desnutrição entre crianças e ainda sofre com saneamento básico e pouca renda per capita.

2 – Alagoas

Renda per capita média: R$ 8.772

Mais um estado rico de belezas naturais, mas pobre na distribuição de riquezas. Penúltimo estado brasileiro em área (mais extenso apenas que Sergipe) e 16º em população, Alagoas é um dos maiores produtores de cana-de-açúcar e coco-da-baía do país e tem na agropecuária a base de sua economia.

Além da baixa renda per capita, o estado do Alagoas possui um dos menores IDH (índice de desenvolvimento humano), além de um dos menores índices de alfabetização no Brasil, de acordo com o IBGE.

Apesar de tudo, nos últimos anos o norte do estado, sobretudo Maragogi e Japaratinga, estão classificados como um dos destinos mais procurados no Brasil pelos turistas, inclusive estrangeiros, e Alagoas está recebendo vários investimentos de grandes resorts para alavancar ainda mais esses números.

3 – Pará

Renda per capita média: R$ 9.684

Pertencendo à região norte, o Pará ocupa a posição do segundo maior estado do país em extensão territorial, sendo um pouco maior do que a Alemanha, Itália e Espanha juntos.

No entanto, mesmo sendo extenso, o estado do Pará é coberto pela maior floresta tropical do mundo, a Amazônia, e devido à dificuldade de locomoção e pouco investimento, acumula ainda um dos piores índices de criminalidade e educação que temos.

Sua economia é totalmente baseada em extrativismo mineral, vegetal, pecuária e turismo, com destaque para as exportações de açaí, abacaxi e castanha do pará. No entanto, são encontradas também indústrias nacionais especializadas principalmente em extração de minerais metálicos, como o ferro.

4 – Amazonas

Renda per capita média: R$ 10.104

Considerado o 4º estado mais pobre do Brasil, o Amazonas também ganha a posição do maior estado do país em extensão territorial. Dados apontam que se ele fosse considerado um país, ficaria em 16º lugar em tamanho, pouco superior à Mongólia.

Coberto quase sua totalidade com a floresta Amazônica, o estado conta com 89% da sua área preservada, o que dificulta e dissipação de suas cidades e indústrias que por sua vez ganham o destaque com o Polo Industrial de Manaus, considerado o terceiro maior do país.

A Zona Franca de Manaus é considerado como um dos Polos industriais mais modernos da América Latina, com mais de 700 fábricas de e grande, médio e pequeno porte que fabricam uma grande quantidade da produção brasileira de motocicletas, televisores, monitores para computadores, cinescópios, telefones celulares, aparelhos de som, DVDs players, relógios de pulso, aparelhos de refrigeração, bicicletas, produtos químicos, madeiras, tijolos, bebidas e materiais de construção.

Publicado por: Equipe

Impostos e Tributos: Conheça as 15 Taxas Que o Brasileiro Paga

O brasileiro está entre um dos povos que mais paga taxas e impostos no mundo, e a origem dessa tradição remonta lá na colonização, quando era cobrado “o quinto” de tudo que era produzido no país.

Portugal foi responsável por decretar o primeiro imposto no Brasil. 20% de tudo que era arrecadado com a venda de pau-brasil, cana-de-açúcar e até a extração de metais e pedras preciosas iam direto para a Europa, criando desde então uma cultura de taxas e impostos na sociedade.

Você já parou pra calcular a quantidade de cobranças que saem do seu bolso todos os meses? Desde o INSS descontado no salário, até o ICMS cobrado sobre cada produto que você compra no supermercado, são tantas taxas que muitas vezes você paga até sem saber.

Separamos 15 impostos e cobranças que os brasileiros mais pagam. Confira todos eles e descubra se você faz parte dessa realidade.

1. Tarifas Bancárias

De acordo com uma pesquisa do Ibope Inteligência, 49% dos clientes de bancos não sabiam quanto pagavam de tarifas bancárias, e a grande maioria dessas taxas constam no extrato em forma se siglas que os clientes muitas vezes não tem a mínima ideia do que se trata.

“Quando olhamos apenas o valor mensal que pagamos de taxa, não nos damos conta do quão abusivas elas podem ser. Mas, uma vez que somamos e percebemos o gasto por ano, é revoltante. Quantas coisas básicas poderíamos comprar com esse dinheiro?” questiona Gustavo Ribeiro, presidente da Airfox no Brasil.

Foi constatado que a média mensal para estes serviços de uma conta de pessoa física é de R$ 27,64, o que é equivalente a R$ 331,68 por ano, dinheiro suficiente para comprar um tablet semi novo, um bom tênis ou até mesmo um violão.

Mas para nossa alegria, assim como a anuidade gratuita, algumas instituições já estão isentando as tarifas bancárias como: transferência de TED/DOC, saques, pagamentos de conta ou extrato mensal. Um exemplo disso é o banco Inter, que é 100% gratuito e sua abertura ainda pode ser feita pela internet, sendo um dos bancos que mais cresceu no Brasil em 2020.

2. IOF

O Imposto de Operações Financeiras sempre pega os brasileiros desprevenidos, e vamos te explicar agora como funciona. Geralmente, esta cobrança é feita nas operações de crédito câmbio e seguro, além da bolsa de valores, ou fundo imobiliário. Vamos te dar um exemplo:

Sabe quando você entra no cheque especial e paga juros? Pois então, além das altas taxas do mercado, o tal do IOF é cobrado dessa operação, acrescentando 0,38% do total devido, além de uma cobrança diária de 0,00082%. Olhando assim parece ser uma quantia pequena, mas quanto mais tempo você fica sem pagar, maior fica sua dívida e você gasta mais dinheiro com taxas que nem sabia que existiam.

Outro exemplo de IOF é cobrado em compras no exterior, seja presencialmente ou online, sempre que você usa seu cartão de crédito também é cobrado 0,38% do valor da compra.

3. Bandeiras Tarifárias na Conta de Luz

Se você acredita que sua conta de luz está mais alta do que o normal, provavelmente está pagando alguma bandeira tarifária. A ANEEL, Agencia Nacional de Energia Elétrica, criou um sistema para informar a nós, consumidores e contribuintes, como está sendo cobrada a nossa luz, e no próprio demonstrativo mensal, é possível identificar qual é o tipo de cobrança: verde, amarela ou vermelha.

Para cada cor há um custo diferente na tarifa, e esse valor se baseia na quantidade de chuvas que estão enchendo os reservatórios das hidrelétricas. Pode reparar que os meses mais secos do ano são os que a sua conta de luz vem mais cara.

Essa medida veio como uma espécie de advertência para a população de que devemos economizar energia. Infelizmente muitas pessoas só se tornam conscientes após ter um impacto no bolso, e com a energia não é diferente. Quando os reservatórios estão vazios, a bandeira vermelha é acionada e um acréscimo de R$ 3,00 por KWH é cobrado na sua conta automaticamente.

Com isso, o cidadão é obrigado a economizar, ou senão, vai paga mais caro.

4. Taxa de Importação

Se você gosta de comprar na China ou nos Estados Unidos, provavelmente já conhece bem essa taxa. Ela é cobrada pela Receita Federal a partir do momento que um produto importado chega ao Brasil e passa pela fiscalização.

Dependendo da descrição e do valor do produto, há uma análise para identificar se o mesmo deve ser taxado ou não, e o comprador é identificado pela internet, ou pessoalmente, se está trazendo a mercadoria em uma viagem internacional, por exemplo.

O valor do imposto de importação é de 60% do valor do produto, somado ao frete e seguro do mesmo, e seu cálculo é feito após essa soma e o câmbio para Real do valor.

Exemplo: Um celular comprado pela internet custou US$ 200, e o valor cobrado pelo frete foi de US$ 30, mais os US$ 10 de seguro. Somando o custo total do produto, ele saiu ao comprador por US$ 240, certo? Usando a cotação de R$ 5,14 como exemplo, convertemos o preço e chegamos ao valor de R$ 1.236,60. Sendo assim, esse produto será tributado em 60% dessa quantia, o que dá R$ 740,16.

5. ICMS

O Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e Serviços é um imposto Estadual. Nele, cada Estado institui e cobra os valores sobre os produtos que são acrescentados ao seu preço na hora da compra.

Sempre que você compra um eletrodoméstico, algum alimento, adquire um serviço de comunicação ou até mesmo paga um transporte interestadual ou intermunicipal, parte do seu dinheiro está pagando o ICMS do produto/serviço e você nem sabe.

Para saber quanto seu Estado cobra de ICMS, basta verificar o valor descontado dos produtos citados na nota fiscal, e multiplicar o valor da mercadoria pela alíquota do imposto, e depois dividir o resultado por 100.

6. IPTU e IPVA

Engana-se quem pensa que ao adquirir um carro ou uma casa o indivíduo não tem gastos com eles. Além das despesas com manutenção, seguro e combustível – como é o caso do automóvel – , os proprietários de imóvel devem pagar anualmente o IPTU, enquanto os donos do veículo quitam seu IPVA.

O Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) é calculado com base no valor do imóvel, e seu destino é o município. O IPTU é reajustado anualmente, de acordo com a valorização da região onde a construção está, ou eventual mudança na legislação. No entanto, há um limite para este aumento, e este pode ser acompanhado no site da Prefeitura da sua cidade.

Já o IPVA é o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores, e deve ser pago por donos de automóveis ao Estado. Suas guias de arrecadação são emitidas sempre no início do ano e também variam de acordo com o ano, marca e modelo do veículo. Este pagamento pode ser parcelado em até 3 vezes, mas se o proprietário decidir pagar à vista, ganha um desconto de 3% sobre o valor total.

7. Serviço de Despacho Postal

Desde 2018, os Correios passaram a cobrar despacho postal em todas as encomendas internacionais que chegarem ao Brasil usando a empresa estatal, no valor de R$ 15.

Nos últimos anos, esta cobrança só era feita nas encomendas tributadas pela Receita Federal, porém, com o aumento de importações, os Correios precisam investir mais recursos para essas operações e assim justificaram a tarifa sobre todos os produtos.

Esta cobrança não está incluída no tributo ou frete que você paga na hora da compra, mas os destinatários que estiverem aguardando alguma encomenda são responsáveis por acessar o sistema de rastreamento de mercadorias dos Correios e realizar o pagamento da taxa de Despacho Postal por meio de boleto ou cartão de crédito.

8. INSS e FGTS

Se você é um trabalhador de carteira assinada, com certeza já reparou no seu contracheque os descontos mensais do seu salário destinados ao INSS e FGTS.

Segundo a Lei, o contribuinte deve pagar o INSS sobre a remuneração mensal. Mas existem três categorias diferentes para esse pagamento: 20%, 11% ou 5% dos seus rendimentos, e esse valor varia de acordo com a situação de trabalho do colaborador e sua opção de aposentadoria.

O Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) é uma espécie de conta poupança, criada com o objetivo de guardar um dinheiro para o trabalhador demitido sem justa causa. Todos os meses, os empregadores depositam cerca de 8% do salário do funcionário nessa conta, que também pode ser usada para dar entrada ou amortizar o financiamento da casa própria, como auxílio em casos de doenças muito graves, falecimento, após os 70 anos de idade, dentre outros.

9. IPI

O Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) é um tributo Federal, que é cobrado de você sempre que adquire um produto que sai da fábrica, seja brasileiro ou importado que, nesse caso, é cobrado no porto.

Sua função é arrecadar recursos para o cofre nacional e seu valor não é fixo. Por exemplo, sempre que o Governo deseja movimentar a economia do país, ele abre mão de uma porcentagem desse valor a fim de aumentar o consumo da população. Certamente você já ouviu no jornal que durante determinado mês o IPI dos automóveis será reduzido, ou o imposto sobre as bebidas alcoólicas irá diminuir.

Sendo assim, o IPI é usado estrategicamente pelo Governo Federal para produtos industrializados considerados essenciais pela população. Entre os diversos produtos isentos de IPI podemos citar: produtos destinados à importação, aparelhos que vão ser usados pela polícia ou forças armadas, materiais bélicos, caixões funerários, dentre outros.

10. ISS Hospedagens

O ISS é um Imposto Sobre Serviços, de arrecadação municipal. Sua alíquota cobrada varia entre 2% a 5%, dependendo do local onde ele é cobrado, do sistema tributário da empresa e do serviço prestado.

Na nota fiscal de serviços, o ISS deve ser cobrado pelo prestador, para o tomador (quem contratou o serviço). Por exemplo, ao fazer um serviço de manutenção na sua casa, o prestador emite a nota e inclui o valor do ISS devido.

Outro exemplo de pagamento do ISS você pode notar nas descrições da sua hospedagem em pousadas e hotéis, onde ele é descontado no seu pagamento, relativo aos serviços prestados por aquele estabelecimento.

11. Taxa de Embarque

Ao comprar uma passagem aérea, você está pagando uma cobrança chamada de taxa de embarque que varia de acordo com o aeroporto onde vai ser realizada sua viagem.

Essa taxa é destinada à Infraero ou à empresa administradora do aeroporto (no caso de aeroportos privados), que por sua vez utilizam essa quantia para realizar as manutenções e adaptações que o local precisa, como melhorias nas pistas, salas de embarque, escadas rolantes, estacionamento, etc.

Os valores dessa taxa são distintos e dependem do tipo de viagem que você vai fazer (nacional / internacional) e da administração do aeroporto.

12. Anuidade do Cartão de Crédito

Os cartões de crédito são os queridinhos do momento para realizar pagamentos, pois além de praticidade, oferecem segurança e benefícios para seus clientes, como descontos em lojas parceiras, facilidade de comprar passagens aéreas e muito mais.

Na maioria das vezes, os cartões que possuem mais benefícios, são os que pedem uma maior anuidade, e por isso muitos brasileiros acabam pagando essa tarifa, que inclusive pode ser dividida em até 12 vezes, sendo cobrada diretamente na fatura do seu cartão.

Para aqueles que desejam fugir da anuidade do cartão, existem opções que não cobram essa tarifa, como o Nubank, ou o Santander Free, que oferecem um bom serviço, com zero anuidade.

13. Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF)

A primeira coisa que você precisa saber sobre o imposto de renda é que ele não é obrigatório para todos os brasileiros, apenas para aqueles que recebem rendimentos tributáveis (como salários e aluguéis) cuja soma anual seja superior a R$ 28.559,70.

Os contribuintes que pagam IRPF devem informar à Receita Federal o valor que receberam no ano, e ainda têm o direito de incluir uma série de deduções com saúde ou educação para abater a quantia devida.

O dinheiro arrecadado no Imposto de Renda é destinado ao financiamento de projetos de educação, saúde e programas sociais do Governo, como o Bolsa Família.

14. Taxa de Administração

A taxa de administração é o pagamento que corretoras e gestoras do seu fundo de investimento cobram de você. Essa taxa costuma estar presente nas aplicações de renda fixa, fundos de investimento, consórcios e demais produtos financeiros administrados diretamente por uma instituição financeira.

Incidindo sobre o seu investimento somado ao rendimento, a taxa administrativa é expressa em porcentagem e nem sempre sua cobrança é realizada mensalmente. De acordo com o seu contrato, o valor pago à instituição pela administração pode ser cobrado de 6 em 6 meses, ou sempre que houver o resgate da aplicação.

No entanto, nem todas as empresas financeiras cobram essa tarifa. Hoje em dia podemos encontrar muitas corretoras, por exemplo, totalmente gratuitas. Tudo depende da empresa e do tipo de investimento que você quer aplicar.

15. CPMF

A Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) foi uma cobrança que incidiu sobre todas as movimentações bancárias que vigorou entre 1996 e 2007.

De acordo com o Senado brasileiro, sempre que você transferia o dinheiro por meio de DOC/TED, solicitava o extrato da conta bancária ou realizava alguma outra operação que eram cobradas taxas, o valor arrecadado pelo CPMF era destinado a àrea da saúde no país.

Nas novas propostas para Reforma Tributária, o ministro da economia, Paulo Guedes considera importante acrescentar o retorno da cobrança do CPMF, com o diferencial de ser instaurado sobre as transações bancárias digitais. De acordo com sua equipe, essa nova fonte de recursos será essencial para bancar o Renda Brasil, que substituirá o atual Bolsa Família.

Publicado por: Equipe

Quais São os 10 Maiores Bancos do Mundo?

As nações do mundo todo estão lidando com os custos econômicos da pandemia do novo coronavírus (Covid-19) e se voltando para os maiores bancos para manter os mercados em funcionamento e direcionar crédito para a economia global, sustentando negócios e famílias. À medida que o mundo trabalha para se recuperar da pandemia, os titãs do setor bancário nos Estados Unidos, na Ásia e na Europa ajudam a impulsionar um estímulo mundial sem precedentes, lançando trilhões de dólares de volta à economia.

Os bancos dominam a lista Forbes Global 2000 de 2020, uma medida das maiores e mais bem-sucedidas empresas do mundo. A importância dos credores raramente perde um pouco da sua influência, à medida que as empresas trabalham para se manter à tona, os mercados continuam a todo o vapor e os poupadores gerenciam seus ativos. Os bancos dos EUA e da China lideram o setor. Os credores na Europa parecem estar estagnados e os de mercados emergentes, como o Brasil, sofrem ciclos econômicos voláteis, ou ainda não entraram no top 100, como a Índia.

Pensando nisso, você já teve a curiosidade de saber quais os dez maiores bancos do mundo? Qual a história de cada um deles e o que fizeram para atingir o topo? Quer saber mais? Continue por aqui! Na sequência, detalhamos a lista deste setor, puxada por instituições financeiras dos Estados Unidos e da China. Confira conosco!

Critério para a definição dos maiores

Afinal, quais são os maiores bancos do mundo? Vale destacar que este ranking vai de acordo com o total de ativos de cada um dos bancos listados.

A soma total de ativos é o valor total de todas as unidades fiscais relativas à propriedade da empresa, bem como o capital financeiro que consiste em recursos corporativos próprios, ativos do investidor, créditos interbancários e ativos recebidos de emissões de bônus.

Acompanhe, a seguir, o ranking das dez maiores instituições financeiras do mundo!

1. Banco Industrial e Comercial da China (ICBC), China

Este é o maior e mais rico banco da China, a somatória dos seus ativos chega a impressionante quantia de US$ 4,09 trilhões. O ICBC controla quase um quinto de todos os bancos na China. O Banco foi fundado em 1984 e conta atualmente com mais de 460 mil funcionários. Sua sede está localizada em Pequim. Mais de 70% da corporação é propriedade do governo chinês.

O banco tem 19 mil filiais, com cerca de 2,5 milhões de clientes de negócio e 150 milhões de clientes individuais. Com mais de cem lojas fora da Ásia, a empresa tem forte atuação também no exterior.

2. China Construction Bank Corporation, China

Fundado em 1954, este é, hoje, o segundo maior banco não só do país asiático, mas também do mundo. Seus ativos chegam a US$ 3,40 trilhões.

Originalmente, o China Construction Bank Corporation foi criado para trocas governamentais e, só mais tarde, foi reconstruído e aberto para o público em geral. A empresa inclui mais de 14 mil departamentos no mundo todo. Cerca de 372 mil funcionários trabalham na instituição.

Há sucursais do banco em locais como Barcelona, Frankfurt, Luxemburgo, Hong Kong, Juanesburgo, Nova York, Seul, Singapura, Tóquio, Melbourne, Kuala Lumpur, Sydney e Auckland. Além disso, há uma subsidiária da empresa em Londres.

3. Banco Agrícola da China, China

O terceiro maior banco do mundo também está localizado no país asiático, com sua sede localizada em Pequim. O Banco Agrícola da China foi fundado em 1951 e visava ajudar camponeses e trabalhadores.

Hoje em dia, este banco firmou-se em corporações fiscais e comerciais da China e do mundo inteiro. Os ativos da empresa giram em torno de US$ 3,23 trilhões.

O banco conta com cerca de 24 mil agências na China e também em outros países. Está presente em locais como Hong Kong, Londres, Tóquio, Nova York, Frankfurt, Sydney, Seul e Singapura.

4. Bank of China LTD, China

Mais um banco chinês está na lista de maiores bancos do mundo. O Bank of China é um dos bancos mais antigos e também um dos mais confiáveis do país asiático. Fundado em 1912, a instituição ainda lidera o setor bancário interno. Mais de 70% da empresa pertence ao governo da China.

O banco possui escritórios em mais de 20 países, tais como Estados Unidos, Portugal, Canadá e Hong Kong.

Seus ativos arrecadam uma quantia de US$ 2,99 trilhões.

5. Mitsubishi UFJ Financial Group, Japão

Este pode ser considerado um dos melhores bancos do Japão, tendo US$ 2,78 trilhões em ativos. Esta holding atua em 40 países ao redor do mundo.

A Mitsubishi UFJ Financial Group foi fundada em 2005, após a fusão de dois dos maiores bancos nipônicos. Esta empresa tem sua sede na cidade de Osaka.

A instituição é uma das principais empresas do Grupo Mitsubishi. Além disso, é considerada a segunda maior holding bancária do mundo.

6. JPMorgan Chase, Estados Unidos

Nesta posição, aparece o primeiro banco americano, o JPMorgan, com ativos de US$ 2,53 trilhões. O banco é considerado uma das instituições financeiras mais emergentes e populares dos EUA no setor.

O JPMorgan Chase foi fundado em 2000, como resultado da fusão de vários grandes bancos. Sua sede está localizada em Nova York e esta pode ser considerada uma das maiores empresas de investimento de todo o planeta.

Atualmente, a empresa opera em mais de cem países. É conhecida por financiar o milionário torneio de tênis US Open.

7. HSBC Holdings PLC, Inglaterra

Considerado um dos maiores bancos da Europa, o HSBC e é o 7º maior banco do mundo. Os ativos do HSBC de Londres, chegam a US$ 2,5 trilhões.

A princípio, este banco havia sido criado para realizar intercâmbios entre a Europa e a China, o que ainda permanece acontecendo atualmente. Além disso, o HSBC possui dez filiais que realizam todas as operações possíveis dentro deste setor.

8. BNP Paribas, França


Este banco, que possui a sede em Paris, foi fundado em 1999. Atualmente, seus ativos somam US$ 2,35 trilhões.

O BNP Paribas possui representantes em todo o mundo e suas sedes estão localizadas, além da capital francesa, em Genebra e Londres.

Rapidamente, após a sua criação e a junção com outros grandes bancos, tornou-se líder do setor na Europa.

9. Bank of America, Estados Unidos


Considerado o segundo maior banco dos Estados Unidos, o Bank of America é também o 9º maior do mundo, com ativos de US$ 2,28 trilhões. O banco surgiu em 1904, quando um imigrante italiano nos Estados Unidos fundou o Bank of Italy, que viria a se tornar o grupo Bank of America em 1930.

A sede do banco está localizada em Charlotte City, na Carolina do Norte. Uma das principais aquisições do BofA em toda a sua história foi a do banco de investimentos Merrill Lynch, em 2008, por cerca de US$ 44 bilhões.

Ele oferece uma grande variedade de serviços fiscais em todo território americano e também em outros países onde atua.

10. Crédit Agricole, França

Por fim, o 10º maior banco do mundo fica com a empresa Crédit Agricole. Seus ativos somam US$ 2,11 trilhões. Além de ser uma das maiores empresas da França, este banco controla grande parte do setor bancário dentro deste país.

O Crédit Agricole, maior banco francês, é também a maior instituição financeira cooperativa do mundo, tendo sido fundado em 1894 a partir de uma lei que criou bancos cooperativos locais, como solução para o problema de crédito dos agricultores. Daí a origem do nome Crédit Agricole, ou crédito agrícola.

Publicado por: Equipe