A Caixa Econômica Federal anunciou na última quarta-fera, dia 14 de outubro, que as taxas de financiamento de imóveis será reduzida.

Sendo assim, o piso para as taxas, que era de 6,5%, agora será de 6,0% somado à Taxa Referencial (TR). O teto também teve reduções, caindo de 8,5% para 8% mais TR.

As novas taxas serão válidas apenas para novos financiamentos, feitos a partir do dia 22 de outubro.

Os novos financiamentos serão feitos com recursos obtidos pela poupança. De acordo com a Caixa, serão obtidos cerca de R$ 14 bilhões para novos financiamentos.

Durante a coletiva de imprensa em que o anuncio foi feito, Pedro Guimarães, atual presidente da Caixa, fez uma simulação de um financiamento de R$ 200 mil, para ser pago em 30 anos.

Em 2018, quando a taxa de juros do financiamento era de 8,75 + TR, o valor da parcela inicial do financiamento era de R$ 1958,48. Com as novas taxas, o valor da prestação inicial cai para R$ 1.568,52, representando uma queda de 25%, se comparada à taxa daquele ano.

Além da redução da taxa de juros dos financiamentos, a Caixa também anunciou a prorrogação do período de carência e a possibilidade de pagar as parcelas do financiamento de forma parcial.

A seguir, saiba os detalhes dessas medidas anunciadas.

Pagamento parcial das parcelas

A Caixa irá permitir que algumas parcelas de um financiamento sejam pagas de forma parcial. De acordo com o presidente da Caixa, o objetivo da medida é apoiar as famílias que estão com dificuldades financeiras, e não conseguem pagar as parcelas integrais.

O parcelamento poderá ser feito de duas formas:

  • 75% da prestação por até seis meses
  • Entre 50% e 75% da prestação por até três meses.

A Caixa espera que a nova medida possa beneficiar cerca de 620 mil famílias que estão com dificuldades de pagar as parcelas integrais.

Anúncios


Prorrogação da carência

Além disso, também foi anunciado que a medida que prevê carência de seis meses para o início do pagamento de novos financiamentos será prorrogada.

Inicialmente, a medida foi proposta no dia 13 de abril, e chegaria ao fim no dia 14 de outubro. No entanto, com a prorrogação, a medida ainda será válida até o dia 30 de dezembro.

Sendo assim, se uma pessoa solicitar um financiamento até o dia 30 de dezembro deste ano, ele terá seis meses para começar a pagar as parcelas.

Durante a coletiva de imprensa, Pedro Guimarães afirmou que os danos econômicos causados pela pandemia ainda são sentidos pela população brasileira e, dessa forma, a prorrogação da medida é de suma importância.

Ainda de acordo com o presidente da Caixa, mesmo que o preço dos imóveis tenham mostrado sinais de recuperando, a população brasileira ainda precisa continuar a investir no imóvel próprio.

A medida abrange todos os clientes da Caixa. Ou seja, tanto os clientes de classe média, quanto os pertencentes ao programa Minha Casa Minha Vida serão beneficiados pela medida.