Até poucos anos atrás, dos 215 milhões de brasileiros, nem um milhão investia na Bolsa de Valores.

Mas a fila andou e já passou longe, bem longe, da casa dos 1 milhão de CPFs na B3.

Isso é sinal de que o brasileiro está largando a poupança e partindo para a renda variável.

Muitos partiram para a bolsa justamente porque a poupança se tornou ainda menos atrativa do que já era.

A grande questão é que boa parcela deste público entrou na bolsa sem estudar o assunto, comprando ações por indicação daqui e dali, mas sem entender o porquê de escolher esta ou aquela ação.

E são estes perfis de investidores que normalmente são os primeiros a perder grana na B3.

Sabe aquela dica quente de ontem? Pode não ser uma boa opção para hoje.

Você investe na bolsa, sabe onde está pisando?

Se você ainda não colocou seu suado dinheirinho na B3 e pretende entrar neste mercado, este post é para você.

Vamos trazer algumas dicas bem bacanas para te ajudar a escolher as melhores ações.

Desta forma, este post vai te ajudar a virar investidor na bolsa e não especulador. Quer saber mais?

Anúncios


 

Entenda como você pode investir com segurança

Escolher ações exige um trabalho detalhado de análise.

Na B3 são centenas de empresas listadas, mas nem todas vão fazer seu dinheiro render.

É aí que está a diferença entre o investidor e o especulador. Você sabe qual é?

Ação é renda variável, é um investimento de risco.

Para que você possa fazer uma boa escolha, se aprofunde nos estudos.

Você precisa saber onde está pisando, qual é o seu perfil, se arrojado ou conservador, e também qual é o seu objetivo, se retorno rápido ou mais demorado.

Se fosse fácil ganhar dinheiro na bolsa, não teria brasileiro pobre, porque o que mais tem neste país é gente querendo enriquecer de hoje para amanhã.

O perfil investidor sabe onde está colocando seu dinheiro, ele tem confiança que, apesar dos revezes do mercado financeiro, o dinheiro vai render.

Já o especulador é apenas um apostador que aplica seu dinheiro em algo que não conhece, para ficar na torcida para que dê tudo certo.

Isso não quer dizer que ambos vão ganhar dinheiro ou que ambos vão perder dinheiro.

 

Conheça a regra número 1 antes de investir em ações

Há dois tipos de ações, em primeiro lugar.

As que você se torna sócio das empresas, que vão dar retorno a longo prazo.

E tem as ações que você pode apostar, fazer operações curtas, para tentar ter um ganho rápido. E aqui o risco é maior.

A dica inicial é ver qual seu perfil, se é moderado ou que gosta de arriscar mais.

Conheça seu perfil de investidor: você é conservador, moderado ou arrojado?

Se você é conservador, para dormir em paz a noite, é melhor alocar cerca de 80% do investimento em renda fixa.

Já se o seu perfil é arrojado, pode investir metade ou até mais em renda variável.

A partir daí, fazer as escolhas, cuidando sempre para balancear seu portfólio, entre renda fixa e renda variável.

 

Saiba que tipo de cuidado você precisa ter na hora de escolher as ações

É importante manter a cautela e não exagerar.

É possível lucrar com a valorização das ações de empresas na B3 e também com os dividendos que as empresas pagam aos acionistas.

Mas você também pode perder dinheiro e até sair endividado.

Para quem é mais cauteloso existe a renda fixa, onde o rendimento será menor, mas a perda de capital é bem menor.

Na renda variável, as ações, o risco é maior, mas a possibilidade de ganho é maior. Ao preferir investir no longo prazo, a possibilidade de rentabilidade é maior.

A B3 não é o oásis para ficar rico de um dia para o outro.

É uma caminhada que exige paciência, disciplina e foco no longo prazo.

 

Saiba por onde começar na hora de comprar ações

Definido seu perfil, você precisa estudar o tipo de ações para saber quais você vai preferir.

O trabalho de comprar ações é simples. Basta ter uma conta em uma corretora de valores, alguns cliques e você terá montada a sua cartela de ações.

É quase igual entrar em um e-commerce ou um marketplace para comprar alguma roupa ou eletrônico.

O trabalho mais dispendioso está antes do home broker: definir o que comprar e se está barato ou caro.

Então, por onde começar?

Estudando. Aprendendo. Para não jogar dinheiro fora.

 

Veja quais são os dois tipos de análises antes de comprar ações

Para começar, você precisa entender as ações. É preciso conhecer as análises do mercado de ações:  existe a análise técnica e a fundamentalista.

Na análise técnica, você precisa estudar qual a tendência de determinada ação, olhando os gráficos.

É claro que rentabilidade passada não é indício de rentabilidade futura.

Mas, analisando os gráficos, você pode buscar a segurança de tentar prever qual ação vai subir ou cair, ou quanto tempo levará para subir para saber o momento exato de comprar.

Já quem prefere fazer a análise fundamentalista vai ter que analisar a empresa, esquecendo os gráficos.

Você vai precisar olhar o histórico da organização, seu lucro ou endividamento, seu crescimento patrimonial, endividamento.

O ideal, é claro, é utilizar as duas formas. Assim, você saberá escolher as ações na hora certa, pagando um preço justo.

 

Confira nossas dicas finais antes de efetuar a compra

 

  • Invista em ações apenas aquela parte do seu capital que você não precisará, de maneira alguma, no curto prazo.
  • Retirar o dinheiro na hora errada pode significar prejuízo e deixar de ganhar uma boa quantia.
  • Ao investir com foco em dividendos, escolher empresas que pagam dividendos, você pode ganhar duas vezes.
  • O que isso significa? Ganhar uma vez com a valorização do papel e ganhar e segunda vez quando a empresa pagar dividendo, ou seja, no popular, quando ela divide o lucro.
  • Se você ainda não está preparado para decidir se compra Vale ou BB, se prefere Petrobrás ou Bradesco, se você não sabe a diferença de uma e outra, a saída é investir em fundos.
  • Você pode comprar ações por meio de fundos, ou seja, se aliando a quem tem mais experiência do que você e que saiba o que está fazendo.
  • Mas quais são as vantagens dos fundos de ação? O fundo tem gestão de profissionais, tem diversificação da carteira e oferece mais segurança.
  • Se você estiver inseguro de quais tipos de ações comprar, é preferível investir em ETF.
  • São fundos que replicam o Ibovespa, o índice da B3. É como se você comprasse um combo de ações, uma cesta de várias ações.
  • Não se esqueça: compre ações na bolsa para o longo prazo.
  • E quando falamos em longo prazo, aqui entram as empresas com histórico de crescimento e lucros consistentes.
  • Não é uma dica de investimento, mas, quem opta pelas Big Techs, as gigantes de tecnologia nas bolsas americanas normalmente não perde dinheiro.
  • No Brasil, houve o tempo de grande rentabilidade de quem investia nas mineradoras e nas estatais, assim como teve uma época em que investir em bancos era pão quente, retorno certo.
  • Em que época estamos? O que é mais garantido?
  • Se você não tem certeza, lembre-se: fundos e ETFs podem ser a melhor dica para você estudar o mercado e saber o que está fazendo.