A promessa de dinheiro fácil sempre seduziu a humanidade.

Com isso, os golpes e as fraudes sempre existiram.

Quanto maior a vontade de ter mais dinheiro em um período de tempo menor, mais golpes e fraudes existem.

De acordo com pesquisa encomendada pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários), quase metade dos estelionatos financeiros envolvem criptomoedas.

Este número é muito alto, são  43,3%. Repare que, no restante dos golpes se encaixam todos os demais.

Isso dá uma dimensão do quanto estes golpes envolvendo criptomoedas são bastante comuns.

Afora isso, até na CPI da Covid, fraudes envolvendo lavagem de dinheiro com Bitcoins foi relatada para a compra da vacina.

Se você tem medo de ser a próxima vítima, continue neste post que vamos trazer algumas dicas para você se precaver.

Veja como os golpes usando criptomoedas tem causado muitas perdas

Isso tem causado dores de cabeça para os brasileiros mais desavisados.

E também ao mercado financeiro em si, pois muitos perderam seu capital.

Assim como a tecnologia avançou no nosso dia a dia, principalmente na questão financeira, os golpes também passaram a contar com a tecnologia.

Anúncios


E o uso de criptomoedas tem dominado os noticiários nas páginas e horários policiais.

Quase metade dos golpes envolvendo dinheiro hoje usam as criptomoedas como pano de fundo.

Mesmo assim, a cada mês mais vítimas aparecem denunciando um golpe que entraram em busca de dinheiro fácil.

Mas a gravidade do assunto é maior e as fraudes envolvendo criptomoedas vai mais longe.

Até na CPI da Covid teve denúncia de fraude envolvendo criptoativos.

Entenda como foi a denúncia envolvendo Bitcoin na CPI da Covid

Na CPI da Covid, que está em andamento no congresso, as criptomoedas também tiveram sua vez.

O Bitcoin seria usado para movimentar dinheiro de compra de vacina, foi a denúncia de Cristiano Carvalho, representante da Davati.

Segundo a denúncia, havia uma negociação com Bitcoin envolvendo a quantia de 1 milhão de dólares entre os envolvidos na compra da vacina AstraZeneca.

Pelo que a CPI da Covid está apurando, a suspeita é de que os envolvidos queriam comprar Bitcoin com o dinheiro destinado a compra da vacina.

Conheça mais detalhes da pesquisa da CVM

43,3% de todos os golpes e fraudes envolvem o Bitcoin e outras criptomoedas.

Na verdade, as moedas virtuais não tem culpa, elas são apenas a desculpa, a cortina de fumaça para fazer seu dinheiro virar fumaça.

Conforme esta pesquisa da CMV, a restante dos 43,3% são golpes envolvendo transações de câmbio, 29,8%; opções binárias, 16,9%; e ações, com 15,2%.

A mesma pesquisa diz que homens são as maiores vítimas, 91%.

Em relação a valores, a maioria perdeu entre R$ 100 e R$ 100 mil.

O mais curioso desta pesquisa, é que, quando as vítimas foram questionadas sobre a relação com os fraudadores, metade dos participantes afirmaram conhecê-los.

Ou seja, o golpe é dado dentro do círculo familiar ou de amigos.

Apenas para 29,8% das vítimas, o fraudador era um estranho.

Veja o primeiro passo para não cair em golpe de criptoativos

Sabe o que é pior?

A imprensa está veiculando a toda hora essas pirâmides, os golpes e fraudes envolvendo as criptomoedas, mas muita gente continua caindo.

Muitos ainda são seduzidos pelo dinheiro falso e acabam sendo as próximas vítimas.

É destes que os golpistas se alimentam e por causa destes que eles se proliferam.

Esquemas financeiros que usam criptoativos como um fator atrativo ainda são muito comuns e costumam causar grandes prejuízos.

O que o brasileiro precisa entender é que é difícil uma pessoa obter lucros altos e constantes. Ainda mais em pouco tempo!

É importante ficar atento, duvidar e se informar quando receber uma proposta desta.

Grande parte dos investidores não compreende como funciona este tipo de investimento e, mesmo assim, se atira, colocando neles seus recursos.

O final da história todos já sabem: acabam acreditando em promessas falsas e perdendo seu capital.

O primeiro passo é: duvide e não entregue seu dinheiro a ninguém sem se informar melhor.

Conheça os principais golpes envolvendo criptomoedas

Promessa de ganhos rápidos. Aí está o motivo número 1 que leva tantos brasileiros a cair nesta cilada.

É uma armadilha de golpistas que criam estratégias para chamar a atenção de vítimas e roubar dinheiro. Nada mais do que isso.

Veja algumas formas do golpista tentar chegar até você:

Ofertas pelas redes sociais: Fraudadores e golpistas usam as redes sociais para disparar mensagens oferecendo rentabilidades atraentes.

Criam páginas falsas, ou até mensagens de e-mail, para enganar pessoas e roubar o dinheiro depositado por elas.

Pirâmides financeiras: é um dos golpes mais comuns envolvendo criptomoedas.

E, de novo, os ganhos rápidos sustentam a pirâmide.

Golpistas recrutam pessoas, mas para fazer parte da empresa, é exigido um valor. E, dessa forma, nasce a pirâmide e quem está no topo dela acaba lucrando.

Criptoativos novos: são ofertas de supostas novas moedas digitais antes do próprio lançamento dela. Golpe.

Corretoras falsas: as exchanges, ou corretoras de criptoativos, são plataformas como as corretoras de ações da bolsa.

Mas, muitas são apenas fachadas para capturar o dinheiro, sem investimento algum em criptomoeda.

Saiba como evitar golpes com criptomoedas

Não tem uma palavra mágica para você fugir desses golpes.

Isso porque são diversos os golpes, então, é preciso ter atenção redobrada.

Ou melhor, existe sim uma palavra salvadora: dizer “não”.

Sempre que alguém oferecer uma proposta de ganho fácil e rápido, diga não. Simples assim.

Não faz sentido você usar seu dinheiro, seu capital para investir em algo que você não sabe como funciona.

Não seja a próxima vítima!