O IBGE divulgou hoje, 16 de outubro, os novos números obtidos através da PNAD COVID19, a Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicilios, referentes a última semana de setembro.

De acordo com o levantamento, que foi iniciado na primeira semana de maio, o número de trabalhadores desocupados é de 14 milhões, o que é considerado estatisticamente estável se comparado à semana anterior (13,3 milhões).

Dessa forma, a taxa de desocupação ficou em 14,4%, representando um aumento de 0,7% em comparação com a semana anterior.

De acordo com a coordenadora do levantamento, Maria Lucia Vieira, o fato dos números terem permanecidos estáveis sugere que há mais pessoas em busca de trabalho, o que pode ser uma consequência da flexibilização do distanciamento social e a reabertura econômica.

A população ocupada também permaneceu estável se comparada à terceira semana de setembro, ficando em 83 milhões.

Mais de 4,1 milhões de brasileiros perderam o emprego na pandemia

O levantamento do PNAD COVID19 teve início na primeira semana de maio. Entre o início da pesquisa e a penúltima semana de setembro, o número de desempregados aumentou em 43%.

O número de desempregados na primeira semana de maio era de 9,8 milhões, em setembro, o número chegou a 14 milhões, o que mostra que mais de 4,1 milhões de pessoas estão sem emprego desde o início do levantamento.

Cerca de 2,2 milhões de pessoas deixaram de cumprir as medidas de isolamento social

O PNAD COVID19 também colhe dados sobre a adesão às medidas de isolamento social.

A pesquisa mostrou que na última semana de setembro, o número de pessoas que estão flexibilizando as medidas de isolamento social aumentou. Dessa forma, o número de pessoas cumprindo o isolamento de forma rigorosa caiu para 31,6 milhões, com 2,2 milhões a menos que na semana anterior.

No entanto, o número de pessoas que não estão tomando nenhuma medida de restrição aumentou consideravelmente. Atualmente, 7,4 milhões fazem parte desse grupo.

O número de pessoas que dizem ter reduzido o contato, mas que continuam saindo de casa e recebendo visitas subiu para 86,7 milhões, 1 milhão a mais do que na semana anterior.

Anúncios


No entanto, o número de pessoas que estão mantendo o isolamento, saindo apenas quando necessário, manteve-se estável, ficando em 84,6 milhões.

Número de pessoas com sintomas de síndrome gripal cai

A pesquisa também observou o número de pessoas que apresentam sintomas de síndrome gripal, associados à Covid-19.

O número de pessoas com sintomas gripais teve uma redução de 798 mil. Na terceira semana, cerca de 9,1 milhões apresentavam sintomas, e na última semana do mês, o número caiu para 8,3 milhões.

Na primeira semana de maio, quando a pesquisa teve início, o número de pessoas apresentando sintomas era de 26,8 milhões.