Que houve um crescimento do e-commerce na pandemia todo mundo sabe.

A migração das vendas de lojas físicas para o comércio online explodiu.

Mas o mercado vai continuar aquecido em 2021 e não é só porque tem mais lockdown por aí.

O consumidor gostou da experiência. Ele quer comprar, mas talvez não seja de você que ele queira. Por isso, se preparar é importante.

O que todo mundo tem que ter bem claro é que venda na internet é diferente de vender em loja física.

Engana-se quem pensa que basta lançar suas ofertas na rede social para sair vendendo.

A história mostra que não é bem assim!

Da mesma forma, não adianta criar um site próprio para que as vendas aconteçam. O cliente pode não vir até ele…

Há algo mais que pode te ajudar a encontrar o consumidor que procura o teu produto.

E o diferencial pode ser colocar seus produtos ou a sua marca em um marketplace.

Para quem está neste mercado e está precisando de algumas dicas ou de um empurrãozinho, este post traz algumas dicas valiosas.



 

 

O e-commerce virou tendência

Com as portas fechadas por conta da pandemia, vender pela internet é o que todo mundo quer.

Mas é preciso aproveitar todas as ferramentas e tecnologias que a rede social ou marketpace oferece.

Do contrário, o cliente estará na internet, mas não vai ser na sua loja que ele vai entrar.

Para quem prefere expandir as possibilidades de venda e não ficar restrito somente ao seu site ou sua rede social, há mais uma opção.

As plataformas de marketplaces oferecem tecnologias inovadoras que vão ajudar a cada loja a encontrar seu comprador.

O que estas plataformas fazem é otimizar o processo lá dentro, para melhorar a experiência de pesquisa e de compra de cada um.

Estamos falando de Amazon, Mercado Livre, Magazine Luiza e Netshoes, além do próprio marketplace do Facebook.

Estas ferramentas você certamente não terá na sua rede social e nem no seu e-commerce personalizado da sua loja.

 

 

Como trabalhar dentro dos marketplaces

Um dos pontos mais importantes é que dentro de cada plataforma há a recomendação de produtos.

A base desta tecnologia é verificar os padrões de cada consumidor, as buscas que cada um faz.

Desta forma, a ferramenta entende as preferências e vai mostrar na tela do celular ou do notebook deste consumidor os produtos alinhados ao que ele busca.

Além de melhorar a experiência de compra dele, que voltará ao mesmo marketplace na próxima compra, esta tecnologia gera estímulo para finalizar a venda.

E ajuda também para recuperar compras iniciadas e não finalizadas.

Isso é importante porque o abandono de carrinho é um índice sempre alto para qualquer vendedor ou loja.

 

Um anúncio mais assertivo e com mais conversão

 

A segunda recomendação é aproveitar de outra tecnologia destes marketplaces que são os anúncios personalizados.

Sua loja pode pagar anúncios dentro da plataforma deste marketplace, em vez de fazer no Google ou na rede social.

Este anúncio pode ser mais assertivo porque este marketplace vai valer-se do conhecimento que já tem de todos os consumidores para atingir o público-alvo para o teu produto.

Sim, você vai pagar duas vezes, uma pelo anúncio e outra quando a venda for feita.

O que você ganha com isso? Além de gerar visibilidade para sua marca lá dentro do marketplace, você vai gerar mais tráfego para o seu próprio e-commerce.

Por fim, a terceira e última maravilha de colocar seus produtos na Amazon, Magalu e outros marketplaces são as assistentes virtuais.

Você sabe como funciona esta tecnologia? Ela interage e se comunica com clientes, através de mensagens de texto automatizadas.

Além de mostrar ao virtual consumidor tudo sobre sua marca, a assistente virtual dá um aceno, dizendo, “olha, seu carrinho está aqui, esperando você passar o cartão”.

Sem contar que estas mensagens podem repassar descrições dos produtos pesquisados. E até oferecer suporte para tirar dúvidas, trazendo este cliente de volta para passar o cartão.