“Eu não gosto de ler o caderno de economia do jornal”.

Talvez você já tenha dito esta frase, ou escutado de seu pai ou seu avô, ou então conhece algum que sempre a pronunciava.

O fato é que os tempos são outros, talvez você sequer tenha acesso a jornal impresso ou a caderno de economia.

Mas você não precisa entender tudo de economia, nem ler aqueles cadernos de finanças no jornal do fim de semana.

Porém, uma coisa é certa, você não pode ficar alheio às mudanças constantes da economia, do contrário, está fadado a perder dinheiro.

E outra: acompanhar uma simples mudança na Selic nem é coisa para economista; é algo tão  simples, mas que tem um impacto grande na sua vida.

Por exemplo, você já parou para se informar qual o impacto da elevação da taxa Selic a 2,75% em março em relação às suas reservas financeiras?

Não é apenas os 0,75% da elevação da Selic, mas sim, que pode estar tendo início um novo ciclo, e de alta, depois de seis anos.

Se a economia não é o seu forte, mas você quer se informar a respeito, reunimos uma série de informações sobre o impacto da Selic no seu dinheiro.

Saiba o que significa Selic e Copom

Antes de tudo, Selic significa Sistema Especial de Liquidação e Custódia.

Em outras palavras, é a taxa básica de juros do país e em março o Copom elevou a taxa para 2,75%.

Anúncios


Foi a primeira vez em seis anos que houve aumento nesta taxa. Aqui pode estar o xis da questão, afinal, isso pode sinalizar um novo ciclo de alta e aí pode mudar muita coisa não só agora, mas daqui a 45 dias com a nova reunião do Copom.

Também é importante te informar ou lembrar que a cada 45 dias são realizadas as reuniões do Comitê de Política Monetária do Banco Central.

É o Copom que pode diminuir, aumentar ou manter a taxa, conforme as tendências do mercado financeiro.

Entenda porque a Selic teve aumento

O fato é que quando o Banco Central aumenta a taxa Selic, a intenção é desacelerar a economia, impedindo a elevação da inflação.

E qual o impacto destes 0,75% no seu dinheiro?

Se esta é a sua pergunta, a resposta é: o aumento da Selic como ocorreu provoca aumento nos juros de créditos, em parcelamentos e no cheque especial.

 

A influência da Selic no dólar

Além disso, normalmente a elevação da taxa básica de juros reduz a cotação do dólar no país.

Mas não foi o que aconteceu em março deste ano. Quando o Copom anunciou a elevação de 0,75% na Selic gerou uma expectativa no mercado sode redução do dólar.

Mas não foi o que aconteceu, desta vez, pois outros fatores, apesar da elevação da Selic, insistem em manter o dólar cada vez mais valorizado por aqui.

Cotado em torno de R$ 5,80, acumulando mais de 10% desde o início de 2021, o dólar está com força no mercado financeiro mundial.

A diferença da taxa de juros entre Brasil e EUA também é determinante para esta cotação do dólar.

 

Saiba usar a Selic a seu favor e multiplique seu dinheiro

Como se vê, a Selic tem grande importância na economia do país, portanto, saber como usar ela a seu favor pode significar mais dinheiro no seu bolso.

As alterações na taxa Selic afetam diretamente os seus investimentos, seja para quem investe em dólar, seja em caderneta de poupança ou investimentos de renda fixa.

Quando a Selic está alta, é mais oneroso emprestar dinheiro e isso faz reduzir o capital que está circulando no Brasil, que acarreta em inflação menor.

Quer um exemplo? Na caderneta de poupança este reajuste de 0,75% mudou, mas pouca coisa.

Isso porque desde 2012, quando o governo estabeleceu novas regras, sempre que a Selic ficar abaixo de 8,5% ao ano, a poupança tem rendimento de 70% da Selic vigente.

 

Como valorizar mais o dinheiro com a Selic a 2,75%

Para valorizar seu dinheiro seria fundamental uma taxa maior de juros.

Outra opção que poderia contribuir para a valorização de seu dinheiro seria o indicador do risco país, que vem sofrendo sobressaltos e instabilidades influenciados pela pandemia, por imbróglios políticos e jurídicos do país.

Outro ponto que pesa bastante neste quesito é a complexidade no panorama fiscal e tributário do Brasil.

Com tanta volatilidade, é preciso estar sempre atento, pois seu dinheiro depende da economia.

 

Com a Selic subindo, ela sinaliza que a curto ou médio prazo, a melhor opção podem ser a renda fixa.

Se a Selic sobe, o CDI também aumenta, e, indiretamente se tem maior rentabilidade neste tipo de investimento.

Os mais populares entre os pós-fixados são os CDBs de bancos, LCIs, LCAs de bancos, que sejam atrelados a Selic. Além, é claro, do Tesouro Selic, um título do tesouro atrelado a Selic.

Desta forma, por ora, os títulos pré-fixados e indexados à inflação ficam bem menos vantajosos para você, que está investindo.

Enfim, com a Selic tendo esta alta, ela pode iniciar um ciclo de alta, por isso, é importante ficar ligado.

Seja você investidor ou não, deve sempre estar atento a estas combinações de fatores para que seu dinheiro continue sendo um ativo rentável.