As mudanças na vida das pessoas desde que a pandemia chegou tem sido avassaladora.

Se até adultos encontram dificuldades para adaptar-se ao novo normal, imagina para uma criança.

Está sendo muito mais doloroso para crianças e adolescentes o isolamento proporcionado por esta pandemia.

Ainda mais para uma criança que ainda está descobrindo o mundo. E que precisa da aprendizagem no ambiente escolar.

Isso pode ter impactos significativos na construção de seu intelecto emocional.

Certamente você tem alguém que passou por este dilema na sua família, senão você mesmo, com seus filhos e irmãos.

Então, saiba como a pandemia impactou a geração toda de crianças. Neste post, vamos trazer dicas que ajudam a minimizar os efeitos nos pequenos.

 

Saiba o que fazer quando crianças foram privadas do ensino

 

De repente, em instantes, a creche e a escola tiveram de fechar.

E, assim como estes estabelecimentos, as crianças tiveram de ficar fechadas em seus apartamentos e casas.

Anúncios


Para muitas destas crianças, a escola era o único meio de interação social com crianças de mesma idade.

Não se trata apenas da questão da sala de aula, mas também do ambiente escolar, tão importante ao aprendizado como um todo.

Pois é, este é outro problema que foi pouco debatido. É a questão da aprendizagem, principalmente para as crianças que estavam em fase de alfabetização.

Nem sempre algumas aulas virtuais vão suprir as expectativas concretas e interativas do aprendizado de uma sala de aula.

Outra questão é que a Sociedade Brasileira de Pediatria recomenda que crianças com menos de 2 anos não devem ser expostas a telas.

Como dar aula virtual a um pequeno sem colocá-lo em frente a tela do celular ou computador?

A mesma recomendação da SBP diz que em crianças de dois a cinco anos esse tempo de exposição não deve ultrapassar 1 hora ao dia

 

Como o assunto é tratado dentro de casa

 

De uma hora para outra, papai e mamãe tornaram-se interlocutores, professores, tendo que improvisar técnicas de aprendizagem e ensino.

Improvisar brincadeiras com os pequenos, muitas vezes sem nenhum fim pedagógico, foi a saída para muitas famílias, sem saber o que fazer com seu filho por tanto tempo, sem a escolinha.

Sem contar que, além de tudo isso, está a troca do ambiente acolhedor e preparado de uma creche ou escolinha por um apartamento de 60 ou 70 m2.

A criança que precisa de ambientes saudáveis e sociais para interagir passou quase todo o ano privada do convívio social.

E o que dizer das crianças que conviveram durante todo esse tempo num ambiente desfavorável, violento ou em situações de vulnerabilidade, inclusive financeira, sem mesmo ter alimento algum!

Saiba como esse tempo perdido poderá ser recuperado

Será que vai ser possível recuperar o tempo perdido?

Será que não teremos adolescentes infantis? Ou adultos com juventude infinita?

São algumas perguntas que precisam ser feitas. E que infelizmente ainda não têm respostas.

Como ficará as questões socio afetivas destes pequenos seres privados de situações cronologicamente fundamentais para sua idade que não voltam mais.

O retorno a quase realidade ideal avaliará cada criança a cada instante no retorno a vida normal.

Cada instante, cada adversidade deverá ser observada no comportamento das crianças para que não tenhamos adultos tristes, depressivos e sem perspectivas.

Os fatores socioeducativos até poderão ser resgatados parcialmente. No ensino, muitas crianças foram aprovadas sem mesmo absorver 10% dos conteúdos das turmas que estavam.
E, sim, esse período deixará várias interrupções no processo ensino aprendizagem.

Então, essas crianças, serão responsáveis pelo novo mundo pós pandemia, com todas as suas adversidades psicológicas, afetivas, sociais e psicossomáticas.

Paciência. Serenidade. Calma. Readaptação. Entendimento. São alguns dos sentimentos e atitudes que serão essenciais para ajudarmos nossas crianças a se tornarem adultos mais felizes.

 

Dicas para minimizar os efeitos em crianças e adolescentes

Como a pandemia não tem data para terminar, como as escolas e creches estão, ainda, neste abre e fecha, vale citar algumas dicas para que os pais reduzam os efeitos negativos nos pequenos.

– Falar a verdade para criança, respeitando sua compreensão.

– Praticar a leitura e a contação de histórias, continuando com atividades ligadas a lápis, caneta e papel.

– Montar quebra cabeças e jogos de tabuleiros.

– Fazer brincadeiras antigas (passa anel, pula corda, esconde-esconde, pular amarelinha etc.).

– Colocar os pequenos para auxiliar nas atividades domésticas ou no preparo dos alimentos.