Mesmo que você não tenha pensado em investimentos, certamente deve ter ouvido ou visto em algum lugar estas três letrinhas: IPO. Mas, afinal, o que é IPO?

Para você entender, IPO é uma sigla em inglês que significa uma oportunidade para você se tornar sócio de uma grande empresa, que abre seu capital na bolsa, em troca da captação de recursos para investir na expansão futura.

Neste post, vamos falar sobre o que é IPO, como funciona e qual deve ser o grande IPO de 2021.

Saiba como é feito o IPO

Se você já ouviu falar de IPO certamente foi porque ocorreu um verdadeiro boom de IPOs em 2020. Para você ter uma idéia, apenas no ano passado, com pandemia e tudo, 27 empresas fizeram sua estreia na bolsa. Para este ano, o número deve passar longe de 30.

Como você pode tirar proveito disso?

Em primeiro lugar, é preciso entender o que significa IPO. Para as empresas, é um passo importante porque ao fazer uma oferta pública de suas ações (IPO), elas entregam parte do seu controle em troca de mais capital e liquidez, ou seja, captar recursos para investir em si própria.

Por outro lado, para o investidor, o IPO é o primeiro momento de comprar  ações, de se tornar um dos primeiros sócios do negócio, embora  pequeno, já que cada ação é uma pequena fração do capital da empresa.

Boa oportunidade

É uma boa oportunidade porque muitos que investem no mercado de capitais apostam que ao se tornarem sócios de uma empresa logo no início, quando ela entra na bolsa, poderão ter uma boa colheita futura com a valorização das ações.

Mas nem tudo são flores, até porque, como o IPO pode ser imprevisível, já que não há tantos gráficos para análises de desempenho. Desta forma, para os pequenos investidores ou investidores iniciantes, sempre é recomendado que não entrem em IPOs.

Mesmo que você não tenha pensado em investimentos, certamente deve ter ouvido ou visto em algum lugar estas três letrinhas: IPO. Mas, afinal, o que é IPO?

Para você entender, IPO é uma sigla em inglês que significa uma oportunidade para você se tornar sócio de uma grande empresa, que abre seu capital na bolsa, em troca da captação de recursos para investir na expansão futura.

Neste post, vamos falar sobre o que é IPO, como funciona e qual deve ser o grande IPO de 2021.

Anúncios


Foto: Arquivo/Alto Tietê Web

Quais os tipos de oferta pública de ações?

Existem dois tipos de IPO, que são as ofertas primárias, quando é a primeira vez que a empresa emite ações, para investir o lucro na sua expansão. Tem também as ofertas secundárias, quando é possível vender ações que já existem e alocar o lucro para os vendedores, que são os donos ou sócios.

Qual o IPO para não ficar de fora em 2021?

O IPO da CSN Mineração, previsto para dia 18 de fevereiro, deve ser um dos maiores do ano. A oferta inicial das ações foi precificada em R$ 8,50 cada, o que movimentará mais de R$ 5 bilhões, segundo a própria CVM (Comissão de Valores Mobiliários). Para se ter uma idéia da movimentação deste IPO da companhia de siderurgia brasileira, o maior IPO até setembro de 2020 foi do Grupo Matheus, do ramo supermercadista, que arrecadou quase R$ 4 bi. Este só não foi o maior do ano, porque em dezembro a Rede D´Or (ramo hospitalar) teve um IPO que superou R$ 11 bi.

Quando uma empresa pode entrar na bolsa?

Para fazer sua oferta pública de ações na bolsa cada empresa precisa preencher uma série de requisitos, iniciando por se registrar na CVM, que regula e fiscaliza o mercado financeiro, também precisa mudar seu contrato social para S.A. (sociedade anônima), a partir daí em alguns anos pode fazer seu IPO.

 Poucos brasileiros na bolsa

Mesmo que você não leia o caderno de economia de nenhum veículo especializado já deve ter visto alguma comparação do mercado brasileiro com o de qualquer outro país. Isso porque a diferença de investidores na bolsa é gritante: 70% dos americanos investem em bolsas, já no Brasil, há cinco anos, este número não chegava a 1 milhão.

3 milhões em 2020

Mas este cenário vem mudando, tanto é que em setembro de 2020 a Bolsa de Valores comemorou ter alcançado a marca histórica de 3 milhões de investidores. São mais de 3 milhões de CPFs cadastrados na B3, o que demonstra um amadurecimento do investidor e do próprio mercado, embora este número ainda seja quase insignificante, apenas 1,5% da população brasileira.