Você é bombardeado por ações de marketing todos os dias. Às vezes, você nem percebe, mas está diante de uma ação de marketing.

Quando você abre o perfil no Instagram daquele personal ou daquela nutricionista e ele ou ela estão lá, tomando café da manhã e mostrando marcas de suplementos e elogiando um e outro produto, pode ter certeza que, provavelmente, você está diante de uma ação de marketing de influência. Embora, por outro lado, pareça que eles apenas estão tomando café.

Mas, o que é o marketing de influência?

Em bom português, é o que bombardeia você diariamente nas redes sociais.

É o tipo de marketing que não parece, mas é. Ele entra na sua mente como conteúdo, falado por alguma celebridade ou alguma pessoa que detém certa influência sobre você.

Pois é, você já sabia o significado, mas não entendia que “era isso”. Marketing de influência nada mais é do que uma forma de engajar o público e aumentar sua rede de consumidores.

O marketing de influência precisa, como o próprio termo diz, ter a participação de formadores de opinião, os influenciadores. E sabe quem foi o primeiro influencer na sua vida? Ele, o Papai Noel!

Hoje você conhece o Bom Velhinho como um dos símbolos do Natal, mas, em 1931, quando sua figura foi criada, a Coca-Cola queria apenas levar você a consumir seu produto.

Ficou curioso com o assunto?

Quer mais um exemplo? O marketing de influência é o “boca a boca” que sua avó vivia falando.

Apenas há a diferença que, no exemplo da vovozinha, a propaganda era um testemunho de um cliente satisfeito sem parecer propaganda, já aqui neste tipo de marketing é um testemunho pago (as vezes), mas sem caracterizar propaganda escrachada também.

Anúncios


Então, se liga neste post que a gente vai trazer dicas de como você pode usar o marketing de influência no seu negócio.

 

Influenciadores digitais são o maior exemplo

Os influenciadores digitais interferem bastante nas decisões de compra dentro de todas as casas onde tiver alguém com um celular na mão, conectado a uma rede social.

Isso acontece porque quando um influencer mostra seu lifestyle, indiretamente, está “propagandeando” os produtos que ele usa.

Você nem se dá conta, mas ele está “te vendendo”, afinal, ele já ganhou sua confiança e sua autorização para tal muito tempo antes.

Há duas formas de você identificar o marketing de influência: a mídia paga e a mídia conquistada.

Mídia conquistada é quando o influencer se envolve como parceiro, quase que como se fossem dono da marca, sem envolver grana. Ele faz isso, às vezes, apenas pela visibilidade do produto ou marca, que vai lhe trazer prestígio.

Já a mídia paga é quando você remunera o influenciador para uma determinada ação de marketing ou campanha para seu produto ou marca.

Mas então, o influencer é o garoto propaganda?

Sim. E não. Ele faz, sim, propaganda para a marca, mas ao contrário do garoto-propaganda que você via na TV ou nos outdoors, aqui é diferente.

O garoto-propaganda apenas cedia sua fama para determinada campanha publicitária. Aqui no marketing de influência há um alinhamento no posicionamento entre o lifestyle do influencer e a marca, há uma sinergia entre ambos.

E isso é bem diferente do garoto-propaganda. Um exemplo clássico foi um artista que era vegetariano e fez propaganda para um frigorífico. Ou aquele outro que só tomava a cerveja A, mas em troca de milhões, cedeu sua imagem para a cerveja B. Aí o feitiço vira contra o feiticeiro!

Isso não ocorre no marketing de influência. Dificilmente.

 

É preciso ter uma mensagem original

Apresentada esta introdução, não podemos deixar de explicar que, no marketing de influência é preciso ter originalidade.

A mensagem que precisa ser passada aqui é definida pelo influenciador. Pode até ser determinada pelos marqueteiros da empresa, mas é o influencer que passa, do seu jeito, ao seu modo, com seu linguajar e sem direção de equipe e tudo o que é normal em uma campanha publicitária.

Há um erro que as grandes marcas cometem aqui, quando querem fazer uso do marketing de influência. E você já deve saber qual é?

É quando uma marca vai além do briefing, vai adiante do que precisa comunicar. Quando a empresa tenta interferir na forma como a mensagem será transmitida pelo influencer, como fazia com o garoto-propaganda, que tinha que decorar o texto, tudo pode ir água abaixo.

O público ‘vai sacar’ na hora, porque vai destoar da “novela que o público acompanha naquele canal”, naquele perfil do influenciador, pois ele já está acostumado, por horas e horas, a acompanhar em stories, lives, vídeos, textos e postagens variadas.

Influenciadores são bons divulgadores justamente porque eles estão mais próximos da vida real da maioria das pessoas.

 

Saiba porque o marketing de influência cresce

Desta maneira, o ROI (retorno sobre o investimento) é otimizado em marketing de influência.

Os gastos são mais baixos com influencers do que com publicidade em empresas de mídia. E como as redes sociais estão em plena ascensão, está evidente que este tipo de marketing só tem a crescer.

O marketing de influência bate de frente com a publicidade tradicional, aquela que você cresceu vendo na TV, na rua ou nos jornais.

Aquele tipo de propaganda vem perdendo força porque interrompe de forma forçada as pessoas, no lazer delas, enfiando anúncios “goela abaixo” nos intervalos de novelas, jogos e telejornais.

Pra falar a verdade, a publicidade deste formato foi longe demais. Para se ter ideia, em 1961, havia legislação que delimitava o tempo do intervalo comercial na TV a 3minutos e isso depois deixou de vigorar.

Nos últimos tempos, além deste intervalo comercial, quando retorna a atração, a primeira coisa que aparece para o público é um novo  “break” com propaganda disfarçada para mais e mais anunciantes. É lógico que o público, mais cedo ou mais tarde, ia cansar disso!

O marketing de influência não tem esse problema. A forma como a mensagem comercial é transmitida já é o conteúdo. Ou seja, o marketing de influência é o ‘boca-a-boca’ que sua avó preconizava, a tal mídia (quase) espontânea.

A mensagem não se baseia na interrupção, mas na confiança que o influenciador conquistou de sua audiência. Há casos, inclusive, que o público pergunta se o influencer não vai lhe vender nada ou fazer propaganda, mal sabendo que isso já acontece “ao natural”.

 

Como praticar marketing de influência?

Aprenda como aplicar o marketing de influência em seu negócio. Trouxemos três dicas para você analisar antes de qualquer decisão:

 

  1. Defina seu objetivo e seu público

Inicialmente, coloque na ponta do lápis: qual o principal objetivo que seu time de marketing está tentando alcançar?

Você precisa saber qual é o seu público, qual é o perfil do seu potencial cliente. A partir daí, busque influenciadores que se identifiquem com este público. O público dele precisa ser o seu cliente.

 

  1. Encontre o influenciador certo, não pelo número de seguidores

Parece regra, pois muitos escolhem o influenciador pelo número de seguidores. Aqui, menos é mais. Mais, é quando um influenciador tem público variado. Investir neste profissional é como anunciar na TV, que tem alcance grande, porém, não é um público segmentado.

A grande sacada do marketing de influência é oferecer seu produto para quem já estiver no nicho em que sua empresa atua. E este público está nas redes sociais de algum influencer.

Procure analisar as postagens deste influencer, isso pode ser um bom ponto de partida, em vez de apenas conferir se tem mais de 1 milhão de seguidores.

 

  1. Deixe nas mãos do influenciador

Formalize o acordo por meio de um contrato e estruture a ação em conjunto, alinhando expectativas e detalhes relevantes.

Defina a rota e a linha do que será anunciado, mas entenda que quanto mais natural for a indicação, mais bem-sucedida será sua campanha. Deixe nas mãos dele e ponto final!