Se você já ouviu essa expressão diversas vezes, mas ainda não entendeu exatamente o que é uma startup, saiba que esse é um conceito relativamente novo, porém cada vez mais presente no cenário atual.

Uma startup tem como principal objetivo criar uma nova ideia de negócio, totalmente inovadora, e que seja replicável. Mas o que isso significa exatamente?

Inovação é palavra de ordem

Primeiramente uma startup visa criar algo novo. Não se trata apenas de abrir um novo negócio, ou empreender. O conceito vai além e tem como objetivo trazer uma inovação, criando um produto, uma oferta de serviço ou ainda uma plataforma de negócios totalmente nova, que represente uma solução ainda inexistente no mercado.

Abrir um restaurante, um supermercado, ou oferecer serviço de limpeza de estofados são algumas formas de empreender e abrir um negócio. No entanto, todos esses exemplos tratam de um modelo de negócios que já existe.

Essa é a principal diferença de uma startup para um novo negócio.

Ser replicável permite que a ideia seja ampliada rapidamente

O sucesso de qualquer empresa está atrelado ao seu crescimento exponencial, ou seja, a sua habilidade em conquistar mais clientes e ampliar o seu mercado.

No entanto crescer não é uma tarefa simples. Mais do que encontrar clientes que estejam interessados no seu negócio, a empresa precisa estar apta a entregar o produto ou serviço que comercializou, em uma escala cada vez maior, e num raio maior de atuação, sem perder flexibilidade e eficiência.

No caso das startups, por se tratarem de um modelo de negócios novo, disruptivo, e muitas vezes em estágio inicial, esse se torna um grande desafio.

Por isso toda ideia inicial de uma nova startup deve considerar em sua proposta a forma de torná-la replicável.

De onde vem o investimento em uma startup?

O início de uma startup está muitas vezes associado a criação de uma ideia.

Porém tirar essa ideia do papel e torná-la viável depende de um investimento inicial, como qualquer outro negócio.

Anúncios


Esse investimento pode ser feito pelo próprio criador da ideia, porém o mais comum é buscar no mercado investidores que aportem o valor necessário para iniciar o negócio, com a expectativa de que a ideia viabilize e traga resultados.

É comum ouvir falar de investidores anjos. Esse conceito refere-se a pessoas ou empresas, que optam em destinar parte de seu patrimônio para investir em novas ideias, assumindo os riscos associados. Em geral são empresários de sucesso, com capital para assumir o risco, que buscam ideias em que acreditem ou ainda que podem de alguma maneira ser incorporadas aos seus negócios principais, caso a ideia seja bem sucedida.

Por se tratar, de modo geral, de uma empresa em fase inicial, com uma proposta de negócio totalmente nova, o investimento numa startup é uma aposta de alto risco.

Caso a ideia se mostre viável e se torne um negócio de sucesso, os retornos para o investidor serão altíssimos, pois ele será beneficiado pelo crescimento rápido da empresa. No entanto, por ser algo novo, não há garantia de sucesso ou previsibilidade de retorno, por isso o risco de o negócio não vingar e ver todo o investimento ser perdido é muito alto.

O que são startups unicórnios?

É comum pensar em startups como uma ideia embrionária ou uma empresa pequena que está tentando captar investimentos e clientes.

Porém, algumas empresas de sucesso, sem as quais não vivemos sem hoje, são startups que se consolidaram e alcançaram um alto valor de mercado.

Quando uma startup alcança o valor de mercado de um bilhão de dólares antes de abrir o seu capital na bolsa de valores, ela passa a ser considerada uma startup unicórnio.

Só para citar alguns exemplos, iFood, 99Taxi, PagSeguro e Nubank são algumas das unicórnios brasileiras de maior sucesso.

Google e Facebook são mais alguns exemplos mundialmente conhecidos, que surgiram como startups. Elas se tornaram unicórnios, e hoje tem capital aberto em bolsa de valores.

 O papel das startups no novo cenário mundial

Por terem modelos simples de negócios, com menor complexidade operacional e na maioria das vezes estarem estabelecidas numa plataforma tecnológica, as startups têm tido um importante papel nesse momento de pandemia.

Não são poucos os exemplos de startups que mudaram e democratizaram a forma pré-estabelecida de trabalho, gerando milhares de novas oportunidades de negócios, e criando profissões antes impensáveis.

Por isso elas têm crescido rapidamente, ocupado um papel importante no mercado e atraído cada vez mais a atenção de investidores.