Talvez você nunca ouvido falar, talvez tenha curiosidade em saber mais sobre o assunto… Talvez ache interessante, talvez não entenda nada, ou ainda ache um estilo de vida fora da sua realidade.

O vegetarianismo é baseado em uma alimentação sem o consumo de nenhum tipo de carne. Sim, nenhum! Nem peixe, nem bacon, nem calabresa, nem presunto. Nenhum embutido. A alimentação de vegetarianos é baseada no consumo de plantas, grãos, frutas, ovos, leite e derivados.

O vegetarianismo visa diminuir:

O impacto ambiental: segundo a ONU, o setor pecuário é o maior responsável pela erosão de solos e contaminação de mananciais aquíferos do mundo, acredita?! 

A ONU também estimou que cerca de 14,5% das emissões de gases do efeito estufa oriundas de atividades humanas têm origem no setor pecuário. 

A maioria do desmatamento da Amazônia tem sua origem na produção de carnes, laticínios e ovos.

O vegetarianismo visa aumentar:

A melhora da saúde: o consumo de carnes está diretamente associado ao risco aumentado de doenças crônicas e degenerativas como diabetes, obesidade, hipertensão e alguns tipos de câncer.

Mas não pode comer nem ovos?!

Relaxa! Existem algumas variações dentro do grupo alimentar que são: ovolactovegetariano, lactovegetariano, ovovegetariano, vegetariano estrito e vegano.

Ovolactovegetariano ou vegetariano: consome ovos, leite e derivados, mas não consome nenhum tipo de carne.

Lactovegetariano: consome ovos, mas não consome nenhum tipo de carne,  leite e derivados.

Ovovegetariano: consome leite e derivados, mas não consome nenhum tipo de carne e ovos.

Vegetariano estrito: não consome ovos, leite e derivados, nenhum tipo de carne, mel e nenhum produto alimentício de origem animal

Veganos: não consomem ovos, leite e derivados, nenhum tipo de carne, mel, nenhum produto cosmético ou de vestuário que tenha origem ou faça testes em animais. Ou seja, nenhum produto de origem animal.

Dentro dessas variações, existem adaptações que são criadas pelas próprias pessoas, que, por exemplo, consomem apenas um tipo de carne.

Benefícios para a saúde

Segundo a Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB), os estudos populacionais que fazem a comparação entre grupos vegetarianos e não vegetarianos com estilo de vida similar, mostram que os vegetarianos têm menor incidência de todas as doenças crônicas não transmissíveis. 

São algumas como dislipidemias (alteração dos lipídios no sangue), hipertensão, cardiopatia isquêmica (infarto agudo do miocárdio), diabetes, diversos tipos de câncer e obesidade.

Os benefícios à saúde são apresentados a partir de uma dieta equilibrada e saudável.

Como suprir as vitaminas?

Muito se questiona sobre a reposição de proteínas que os vegetarianos têm. Porém, a proteína pode ser tranquilamente substituída por muitas oleaginosas, como o feijão, lentilha ou grão-de-bico.

Por exemplo: um bife grelhado de 78,2g é equivalente a 163,8g = 1 concha de lentilha.

Outro fator muito comum é a dúvida sobre a reposição de vitamina B12. Essa vitamina é ausente no mundo vegetal, por se tratar de uma bactéria presente no solo que é absorvida pelos animais durante a alimentação, está presente na carne, ovos, leite e derivados. Entretanto, pode ser tranquilamente suplementada em casos de deficiência.

A deficiência de vitamina B12 é muito comum na dieta onívora também, então pode ser que você, que consome carnes, também precise realizar a reposição dessa vitamina. Exame de vitamina B12, é um tipo que muitas pessoas não têm o hábito de realizar. Portanto, vale a pena conversar com seu médico e conferir se seus níveis estão favoráveis.

Sinais de déficit dessa vitamina incluem: memória ruim, sonolência, indisposição, dormência.

Culinária

Muitas pessoas quando se tornam vegetarianas, falam a respeito da criatividade desenvolvida a partir da preparação dos alimentos. É possível realizar inúmeros pratos diferentes com os mesmos vegetais.

Existem muitas adaptações veggies de pratos típicos como lasanha, hambúrguer, hot dog e até mesmo o churrascão de domingo. Hoje em dia nos supermercados, é possível encontrar algumas opções vegetarianas e veganas também.

De acordo com a SBV, para uma alimentação equilibrada saudável, um adulto vegetariano deve pensar em preencher metade do seu prato com verduras e legumes, preencher 1/4 do prato com cereais (arroz, milho, trigo, cevada, etc…) e 1/4 com leguminosas (feijões, ervilha, lentilha, grão de bico, tofu…). E ainda vale à pena colocar 1 fruta como sobremesa.

Existe um movimento chamado Segunda sem carne, que visa convidar não vegetarianos a aderirem pelo menos um dia da semana, de alimentação sem origem animal. Contribuindo assim, para redução de impactos ambientais como economia de água, preservação de terras, menor emissão de gás carbônico e também vidas poupadas.

E aí, que tal tentar?