Os reflexos da pandemia surtiram diversos efeitos não só na saúde e na economia dos países.

Não foi só nos hospitais ou no bolso das pessoas.

No mundo empresarial ela também acabou impactando bastante.

Com a crise provocada pela Covid 19, diversas empresas fecharam as portas ou demitiram funcionários.

O desemprego aumentou em 2020 por conta disso.

E como o brasileiro tem a veia empreendedora, o que muitos fizeram quando se viram demitidos foi…

Muitos resolveram não ficar parado esperando aparecer a próxima oportunidade, foram atrás e abriram seu MEI, virando microempreendedor individual.

Você sabe o que é o MEI? Você sabia que você pode ser MEI mesmo tendo carteira assinada em uma empresa?

Esta também foi a aposta de muitos brasileiros, que registraram o “seu freela”, sua atividade como hobby, o seu plano B de carreira.

Se você ficou pensativo sobre o assunto ou se também está pensando se o MEI é uma boa para você, não se preocupe, vamos trazer todas as informações neste post.

Entenda o que é o MEI e como ele pode impactar sua carreira

Muitos desempregados por conta da pandemia resolveram se reinventar.

Milhares de pessoas físicas buscaram desenvolver suas capacidades e qualidades no empreendedorismo como meio de buscar novas fontes de renda.

A maioria optou por tornar-se MEI, sigla de microempreendedor individual, que é uma forma de ter uma renda extra sem pagar impostos se não atingir determinado faturamento anual.

Mas em que consiste ser um MEI?

Para o Direito Empresarial, a atividade MEI consiste em um modelo simplificado empresarial onde a pessoa trabalha por conta própria, podendo desenvolver inúmeras atividades de prestação de serviços.

E foi assim que inúmeros desempregados resolveram investir nas suas próprias habilidades.

Alguns tiveram que se aperfeiçoar em cursos preparatórios para virar PJ via MEI.

Seja para ser um doceiro, um artesão, uma manicure, um cabeleireiro; seja o fotógrafo de fim de semana que resolveu virar videomaker profissional, o fato é que o número de MEIs explodiu no Brasil desde que a pandemia surgiu.

Outros criaram seu MEI porque, com o home office passaram a ter tempo livre e resolveram se dedicar a uma nova carreira.

Seja para transformar seu hobby em uma fonte de renda, seja para ocupar o tempo livre, seja para testar uma nova função a fim de dar uma guinada posterior na carreira.

O fato é que o número de MEIs explodiu no Brasil desde o surgimento da pandemia.

Veja como o número de MEIs aumentou no país desde a pandemia

Como diz o ditado popular, “a ocasião faz o ladrão”.

E se o brasileiro ficou desempregado e não encontrou emprego, ele mesmo criou o seu emprego.

E mais uma vez o brasileiro mostra que sempre está buscando alternativa para melhorar sua qualidade de vida e até mesmo buscar condições financeiras para sobreviver.

Toda essa transformação, segundo o IBGE, se deve ao fato de que aproximadamente um milhão de empresas fecharam as portas desde o início da pandemia.

Isso deixou 13,4 milhões de pessoas desempregadas.

Foi aí que surgiu o empreendedorismo exponencial no Brasil.

Segundo dados do IBGE, a cada 3,36 milhões de empresas abertas, aproximadamente 2,66 milhões tinham como missão empreender através do micro empreendedorismo individual.

Em outras palavras, a cada três pessoas jurídicas que surgiram, duas são MEI.

O crescimento de 8,4% em relação ao ano anterior, conforme a estatística do Ministério da

Economia.

Outro dado positivo é que também aumentou o número percentual de MEIs com idade inferior a 25 anos. O percentual passou de 27% em 2019 para 30% em 2020.

Saiba as possíveis causas da explosão de MEIs entre os jovens

Chama a atenção esta última informação do levantamento do IBGE.

O aumento do número de MEIs entre jovens abaixo de 25 anos.

Mas por que isso está acontecendo?

Porque muitos jovens estão partindo para o MEI em vez de assinar a carteira de trabalho?

Como em tudo na economia, esta pergunta também não tem uma única resposta.

Mas especialistas apontam que além de buscar desenvolver o seu próprio negócio como uma alternativa de sobrevivência, os jovens buscam no MEI uma forma de fugir do desemprego de início de carreira.

Se a gente analisar que muitos jovens estavam buscando colocação no mercado de trabalho quando a pandemia começou, é perceptível de entender que não havia espaço para todos.

Além disso, muitas vezes os jovens não possuem condições financeiras de se aprimorar em cursos seja técnicos ou graduação.

Outro motivo é que quem é jovem tem pressa, diz o ditado, então, muitos também optaram por simplificar o processo, buscando encontrar um meio real para superar o desemprego e também para aprender na prática.

Veja qual foi o setor que mais teve MEIs desde o inicia da pandemia

Muitos destes tem pouco ou nenhuma experiencia profissional, mas encontraram, com esta iniciativa, oportunidade de ter um trabalho e de aumentar seus rendimentos, ainda mais com oportunidades escassas no mercado.

O setor de alimentação foi o preferido.

Os jovens viram, diante do cenário instalado pela pandemia, que o mercado de delivery vivia seu boom.

O setor explodiu entre janeiro e junho do ano passado, aumentando 103%, segundo aponta o app de gestão financeira Mobilis.

Já conforme o Data Nubank, em maio de 2020, praticamente um quinto dos microempreendedores buscaram no delivery sua alternativa de renda.

Esta amostra, no caso, considera apenas os clientes da Nubank, mas dá um indicativo importante do setor.

Saiba como abrir um MEI é fácil, confira o passo a passo para ser MEI

Para abrir um MEI é bem fácil.

Mas você pode ter uma renda bruta de até 81 mil reais por ano, ou seja, R$ 6.750,00 reais de renda bruta mensal.

Você pode ter somente um empregado registrado.

O MEI não pode ter participação em nenhuma outra empresa, seja como sócio ou titular.

E aí, ‘bora lá’?

Para criar seu MEI, basta acessar o portal do Empreendedor e clicar na opção “Formalize-se”.

O site vai pedir sua conta criada no passo anterior; em seguida, você deverá incluir as informações do seu negócio.

Coloque as atividades, endereço onde elas serão realizadas, nome fantasia e ele está pronto.

Agora é só emitir o Certificado de Condição de Microempreendedor Individual (CCMEI).