Chegou a oportunidade para, enfim, programar suas férias. Além das malas, você precisa organizar a viagem.

Se vai fazer isso por sua conta mesmo – e não por uma agência de turismo, por exemplo – precisa estar atento aos detalhes de tudo.

Inclusive na escolha das passagens aéreas mais baratas ou adequadas à sua viagem, seja para onde e quando for.

Neste post, nós te auxiliamos nessa empreitada aérea com seis dicas essenciais para você seguir antes de fechar a compra dos bilhetes.

Afivele os cintos aí e siga em frente.

1 – Pesquise geral

A primeira sugestão é óbvia, mas acredite: tem muita gente que embarca na primeira promoção que encontra no Google.

Você não precisar decolar em qualquer oferta. É preciso saber como andam taxiando os valores por aí.

Se for para subir, dê uma sobrevoada no mercado: olhe como estão os preços neste momento, nos sites das companhias ou especializados no assunto.

Se já for para arrematar a compra, prefira consulta-las aos fins de semana quando os valores costumam estar mais baratos.

Para te facilitar, segue abaixo um panorama de endereços para você visitar:

Decolar

Anúncios


Kayak

Max Milhas

Momondo

Mundi

Skyscanner

Viajanet

Voopter

2 – Compre com antecedência

Ok, sabemos que você já deve ter lido e escutado esta dica muitas vezes. Sem problemas. Apenas some mais esta.

Afinal, se é para fazer contas, a preferência é pela subtração no preço da(s) passagem(ns), não é mesmo?

A aritmética aqui é bem simples: quanto mais longe for a data do embarque, menos você paga no bilhete.

Na dúvida, faça suas simulações nos sites citados na dica anterior. For o caso, adie um pouco a viagem para daqui seis meses ou pouco mais de um ano.

Ah, importante: adquira um bilhete de cada vez. A promoção é sempre para um assento. Verifique se há a mesma oportunidade para o banco ao lado.

3 – Não tenha pressa

Além de ter que controlar a ansiedade para definir a data do voo, dê preferência àqueles com uma ou mais paradas.

Pois é, são os mais longos, cansativos… e baratos. Justamente por estes adjetivos indesejados são os menos procurados.

Logo, estas condições os incluem na rota da ‘lei de mercado’: menor procura, preço mais barato. Simples assim.

4 – Escolha mais de um destino

Já que você terá que esperar tanto tempo para embarcar e ainda terá que encarar um voo com escalas, que tal ampliar o roteiro de destinos?

Um exemplo: se for para atravessar o Atlântico para visitar a França, que tal dar uma ‘voadinha’ para a Inglaterra e a Espanha?

A economia que você está providenciando para um destino pode ser a oportunidade para um ‘tour’ em parte da Europa.

5 – Fuce por voos regionais

Seja para o exemplo citado acima ou mesmo na busca por voos dentro de um mesmo país – principalmente no caso dos maiores – analise as ofertas domésticas e internacionais.

Aqui, vale a mesma regra para a compra da(s) passagem(ns) principal(is): fique atento à concorrência e opte pelo melhor preço.

Afora o valor da passagem, procure saber um pouco mais sobre a reputação das companhias menores. Não voe em qualquer uma.

6 – De olho nas milhas

Caso você utilize um cartão de crédito para a compra das passagens, fique atento ao programa de milhagem que ele oferece.

Na dúvida, consulte as regras na operadora do cartão ou nas próprias companhias aéreas, se for o caso.

Uma vez que confirme seus bilhetes, você já terá como lançar mão de suas milhas para a sua futura viagem.

Mas nada de ficar ‘a ver aviões’, hein. As milhas têm prazo de validade e você corre o risco de ficar no chão. Boa viagem!