É por isso que muitas vezes uma pessoa que treina e faz dieta com o objetivo de emagrecer  não consegue ver os resultados, ou treina musculação para aumentar a massa magra e nada acontece, as vezes seus resultados são bem lentos.

Como funciona o pós-treino no corpo

Quando malhamos nosso corpo gasta energia, especialmente o glicogênio que é formado por moléculas de glicose e está presente na composição muscular. Essas moléculas são responsáveis pela energia liberada na hora dos treinos muito pesados, garantindo que você tenha um bom desempenho. O glicogênio precisa ser reposto após um treino com carboidratos, pois assim você garante mais energia para o dia seguinte. Pense na seguinte situação, se você já malhou, provavelmente isso já lhe aconteceu:

Num dia você vai para a academia com bastante disposição, faz ótimas séries e sai satisfeito, mas no outro dia percebe que não está tendo o mesmo desempenho.

Esse aparente cansaço ocorre porque você queimou muito glicogênio e após o treino não fez uma alimentação adequada para reparar essa perda. Por isso a importância de conhecer os alimentos certos e suas funções metabólicas, muita gente acha que tem que malhar e depois só comer uma fruta, tomar uma sopa, e não é por aí.

Outro detalhe conhecido de poucos é que, quando malhamos, músculos sofrem micro lesões, que são o desgaste pelo qual ele vai se desenvolver, é a chamada hipertrofia muscular. São essas lesões que causam as dores pós treino do dia seguinte. Acontece que ao criar fissuras, o tecido muscular entra em processo de cicatrização, aí é onde entra o trabalho das proteínas. Elas são as responsáveis pelo processo de crescimento da regeneração muscular.

Além disso existe uma diferença para quem treina em busca de emagrecimento. Em ambas existe a queima de energia e a fadiga muscular, mas para chegar no resultado esperado é necessária uma alimentação correta, os alimentos adequados para cada caso, para que haja uma reparação celular e recuperação energética pontual.

As proteínas são as responsáveis por essa reconstrução celular, por isso quem tem objetivos de hipertrofia, deve focar a alimentação em carnes magras, e alguns vegetais como o brócolis, o espinafre, a lentilha, o repolho e a couve. Já na recuperação energética é recomendado o consumo de carboidratos de baixo índice glicêmico, já que o açúcar tende a se transformar em gordura. Esses tipos de carboidratos podem ser encontrados em: batata doce, farinhas integrais, aveia, grão de bico.

Para quem quer perder peso, também precisa de alguns cuidados e não acabar restringindo muito a alimentação porque isso pode desencadear graves problemas de saúde. Nas atividades para perda de peso, a gordura é trocada por massa muscular, um processo que também exige atenção, e o que serve para hipertrofia não vai funcionar aqui. Basicamente a diferença nesse caso, é que a alimentação é mais moderada, incluindo frutas e carnes brancas como principal repositor.

Outra informação que precisamos passar é que a alimentação pós-treino vai depender do horário que você praticou a atividade, veja essas dicas que separamos pra vocês

 

Pós-treino de hipermetropia

Treinos da manhã 



Iogurtes com farelo de aveia, ovos mexidos com vegetais, homus ou creme de tofu com pão integral, shakes a base de whey com frutas, abacate com torrada integral.

Treinos antes do almoço ou jantar

Peito de frango grelhado com batata doce, hambúrguer artesanal de patinho com chips de batata doce, peixes grelhados com brócolis.

 

 

Pós-treino para perda de peso

Treinos da manhã

Banana com pasta de amendoim, iogurte grego com frutas, mamão com farelo de aveia, queijo cottage com tomates, omelete de legumes.

Treinos antes do almoço ou jantar

Salada verde com quinoa, frango grelhado com legumes cozidos, shakes com leite desnatado, baunilha fresca, cacau em pó e frutas.

Uma última dica e fundamental, mantenha a hidratação durante e pós treino, para tudo isso funcionar a água vai ser o componente mais importante de qualquer dieta.