Nesta quinta-feira (24/2), a Rússia lançou mísseis à Ucrânia, após quatro meses de crise e muita tensão. Moradores da região próxima à capital ucraniana, Kiev, relataram ouvir explosões. Outras regiões também podem ter sido atacadas. Entenda como esse conflito pode afetar o Brasil e a sua economia.

Preço da gasolina pode aumentar

Depois de mais de sete anos, o petróleo passou da casa de U$ 100, preço afetado após o primeiro anúncio de ataque militar na região ucraniana. Isso porque a Rússia é um dos grandes produtores de petróleo, e qualquer instabilidade na área pode afetar diretamente este mercado.

É ainda mais fácil de mensurar a gravidade da situação quando colocamos em perspectiva os números.

O país pode produzir cerca de 10 milhões de barris de petróleo diariamente. Isso o torna um grande e potencial exportador da matéria-prima, que é usada pelos quatro cantos do planeta. Além disso, a Rússia também é responsável por cerca de 40% do abastecimento de gás natural no continente europeu.

Como explica relatório do UBS, interrupções no fornecimento de petróleo pela Rússia poderiam afetar e reduzir o Produto Interno Bruto (PIB) do mundo todo neste ano de 2022. “Se os preços do petróleo subirem para US$ 125 ou mais por dois trimestres seguidos, isso resultaria em uma retração de 0,5% no PIB global”, diz relatório.

O impacto no bolso é significativo

Alimentos, gás, energia elétrica, fertilizantes agrícolas e demais produtos de abastecimento global também podem sofrer alterações no valor. A Ucrânia é responsável por mais de 15% do fornecimento de milho mundial.

Com a Rússia, a Ucrânia ainda é responsável por 30% da exportação de trigo no mundo. Ou seja, os conflitos, mesmo que distantes de muitas regiões, podem afetar significativamente o bolso dos outros países.

Outra problemática que afeta diretamente a situação dos grãos exportados pela Rússia e Ucrânia é o período em que a guerra assola o continente. Isso porque, no Brasil, por exemplo, nos encontramos num momento delicado para a produção agrícola.

Resumidamente, o momento atual é um período de desenvolvimento das lavouras de trigo, que serão colhidas no próximo trimestre. Outro problema afeta diretamente a logística de exportação, que geralmente é mais forte no primeiro trimestre.

Conforme prevê o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), os estoques de milho no Brasil podem ficar bem abaixo da média no final do ano, principalmente com a produção de ração e etanol de milho.

Aumento no dólar e inflação

Além disso, essa instabilidade política e falta de perspectiva do que irá acontecer também afeta o mercado de ações. Esse mercado foi bastante afetado após o anúncio das invasões. Ações de petróleo, ouro e a cotação do dólar dispararam.

Outra consequência do conflito entre a Rússia e a Ucrânia que pode afetar significativamente o Brasil é a inflação. O país, que já vem sofrendo ultimamente com alta elevação nos preços, pode sofrer ainda mais.

Um grande vilão nesse cenário é o aumento do preço dos combustíveis. Com a alta desse valor, é muito difícil controlar as metas de inflação no Brasil. Outro problema que piora a situação é a exportação desses produtos, que podem ser dificultadas pelas sanções.

Desta forma, as cadeias globais de produção, que já estão afetadas, ficam ainda mais vulneráveis. Ou seja, ao mesmo tempo que irão pressionar os preços pela oferta limitada, também podem reforçar a onda de inflação global.

Enquanto o mundo ainda não se recupera totalmente da inflação global causada pela pandemia, mais incertezas a respeito de uma possível guerra – até mundial – fragilizam ainda mais a situação economia mundial.

É um momento para colocar panos quentes em possíveis investimentos e aguardar um período mais seguro para se arriscar num mercado tão instável como agora.