Eles estão entre os ‘queridinhos’ do mercado de investimentos de renda fixa no Brasil.

Pesquisa divulgada em outubro de 2020 pela plataforma de investimento Yubb apontou os CDBs (Certificados de Depósitos Bancários) como os mais procurados naquele período.

Afinal, vale a pena mesmo investir em CDBs? Ou seria apenas uma dessas ‘modinhas’ que vem e vão neste verão?

Para você nem sabe o que é CDB ou já entende bem do assunto segue nossa análise. Ao final, tire suas próprias conclusões.

É o rendimento do seu dinheiro que está em jogo.

O que são os CDBs?

Sabe aquela história que o banco utiliza o dinheiro do cliente para aplicações e investimentos em geral?

Pois bem: é assim que funcionam dos CDBs. É um título que o banco emite em troca do seu dinheiro, devolvido com juros.

Os CDBs são um tipo de investimento de renda fixa, caracterizada pela definição antecipada de regras e taxas de investimento.

Ou seja: é ideal para aquele investidor do tipo ‘conservador’, que prefere ter maior previsibilidade de seus ganhos.

CDB ou a tradicional poupança?

Até que se popularizassem, os CDBs tinham como maior ‘concorrente’ a velha poupança – dos tempos de se guardar moeda em porquinhos de plástico.

Mas, como nostalgia não rende um centavo na conta bancária, o negócio é comparar as opções em porcentagens e cifras.

Anúncios

A poupança ‘paga’ 70% da taxa Selic – ou seja 1,4% de 2%. O rendimento é mensal e atualizado na data da abertura.

Já o CDB é um investimento com rendimento diário, com possibilidade de resgate mais rápido, a depender do tipo de contratação.

Há diferentes tipos de CDBs?

Na verdade, o que difere um CDB do outro é a modelo de remuneração acordado, o que o dive em três tipos:

  • Prefixado: quando a taxa de juros é comunicada na aplicação e mantida até o final.
  • Pós-fixado: quando o rendimento é variável pelo indicador – o mais comum é o CDI (Certificado de Depósito Interbancário).
  • Híbrido: quando o rendimento é a soma de uma parcela pré-fixada e a variação da inflação, seja pelo IPCA ou IGP-M.

O quanto posso ganhar com CDBs?

Resposta prática: vai depender do modelo que você escolher de investimento em CDBs e da pressa que você tiver de retorno.

E importante estar atento à porcentagem de CDI de retorno proposto pelo banco ou corretora. A variação comum é de 80% pra cima.

Para quem pretende investir em CDBs a longo prazo, há ofertas no mercado de retorno progressivo anual, que ultrapassam os 100% de retorno.

Àqueles que buscam uma rápida liquidez, é necessário estar atento ao prazo de carência, até o qual o dinheiro não pode ser sacado.

Como e onde investir em CDBs?

A compra destes títulos de renda fixa está no mercado financeiro em geral – bancos e corretoras de investimentos, principalmente.

A exemplo da compra que se faz no supermercado, a estratégia é pesquisar pelas melhores ofertas. Conheça as propostas e as compare.

Na prática, seja no banco ou na corretora, você começa seu investimento com a abertura de conta (se for o caso) e transfere o valor a ser investido em CDBs.

As instituições financeiras costumam disponibilizar um simulador de investimentos para que você verifique o quanto poderá ganhar em cada tido de CDB.

Qual o meu risco de investir em CDBs?

Como se trata de uma renda fixa, o risco é classificado como baixo.

A hipótese de perda está relacionada a eventual falência da instituição que te vendeu o CDB. Mesmo assim, há uma margem de segurança.

A exemplo de outras opções de renda fixa, o CDB está coberto pelo FGC (Fundo Garantidor de Créditos), que devolve até R$ 250 mil do valor aplicado pelo investidor.

Ou seja: se for investir mesmo em CDB, escolha uma instituição que tenha solidez.