A XP Inc. quer incorporar as ações do Banco Modal na ‘CVM americana’, a SEC.
Para isso, a empresa brasileira protocolou uma proposta que formaliza a incorporação das ações do Banco Modal na SEC (Securities and Exchange Commission).
Os negócios que as duas instituições financeiras realizam não serão impactados pela incorporação proposta pela XP.
Desta forma, se aceita e concluída a operação, os acionistas do Modal se tornarão acionistas diretos da XP.
Isso vai ocorrer através de papéis na forma de BDRs, ou seja, papéis das ações ‘lá fora’ aqui no Brasil.
Confira este post até o final e entenda tudo sobre esta negociação e este pedido protocolado pela XP Inc.

Entenda como deve acontecer a incorporação das ações do Banco Modal

Assim que a operação for aceita e concluída, além dos sócios do Modal se tornarem acionistas da XP, outra mudança vai ocorrer.
O Modal passará a ser uma instituição subsidiária integral do Banco XP, como outras marcas do portfólio, entre elas, Rico e outras.
Ou seja, ao passo que acionistas do Modal viram acionistas da XP, o Modal deixa de existir como banco e terá registro cancelado.
Outra questão é que o Modal passando a ser subsidiário da XP, terá suas ações canceladas pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM).
Por falar nisso, conforme divulgado, ao todo os acionistas do Modal receberão até 19,5 milhões de ações da XP divididas pelas ações do Modal em circulação.

Saiba mais sobre a negociação e as ações do Banco Modal

Enquanto a XP apresenta na CVM americana o protocolo de incorporação, por aqui no Brasil é necessário também outra aprovação.
Esta oferta precisa ser aprovada na assembleia-geral extraordinária dos acionistas do Modal.
Após isso, as ações dos controladores do Modal terão período de restrição de vendas.
Sendo assim, apenas 15% vai ser liberada por ano.
Ou seja, a cada ano eles podem vender 15% em um prazo de dois e quatro anos após a operação.
Quanto os papéis remanescentes, estes serão liberados somente em cinco anos.

Entenda sobre a aquisição do Modal pela XP Inc.

A aquisição do Modal pela XP já havia sido anunciada em janeiro.
À época, a oferta pelo banco digital foi de R$ 3 bilhões, com prêmio de 35% sobre o valor das ações negociadas na B3.
Desde então, a expectativa era de que o Modal entrasse como mais uma marca no portfólio, ao lado de XP, Rico e outras.
A XP comprou 100% do Modal através da troca de ações, que na época valia em bolsa R$ 1,96 bilhão, tendo estreado na bolsa no segundo semestre do ano passado.
Por sua vez, a XP em janeiro estava avaliando o banco em R$ 3 bilhões, principalmente devido ao IPO na bolsa de Nova York.
A XP valia US$ 15,14 bilhões na Nasdaq.
No início deste ano, segundo o Valor Econômico, o Modal tinha R$ 30,4 bilhões sob custódia, de 501 mil clientes e uma carteira de crédito que valia R$ 607 milhões.

Conheça a história da XP

A origem da XP Investimentos é um escritório de agentes autônomos fundado em 2001, em Porto Alegre.
Os sócios Guilherme Benchimol e Marcelo Maisonnave passaram a ajudar pequenos investidores a investirem no mercado de ações.
Em 20 anos de mercado, os números surpreendem, são mais de 3 milhões de clientes ativos e R$ 715bilhões sob custódia.
Os dados são do portal da própria XP Investimentos.
Atualmente a ‘corretora XP integra a XP Inc, listada na NYSE.
Nascida como corretora, a XP ainda atua como corretora, mas atua em outros segmentos, tendo ainda as marcas Clear, Rico e Modal.